Quarta-feira, 22 de Janeiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
25°
Fair

Política Congresso mantém vetos sobre mudanças no Fundo Eleitoral. Bolsonaro diz que não veta até R$ 2,5 bilhões

Verba não poderá ser usada para pagamento de multas eleitorais.

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Verba não poderá ser usada para pagamento de multas eleitorais. (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O Congresso Nacional manteve mais um veto presidencial da chamada minirreforma eleitoral. Com isso, a verba do Fundo Eleitoral não poderá ser usada para pagamento de multas eleitorais. O veto foi mantido em sessão do Congresso realizada na tarde desta terça-feira (10), foi mantido pelos deputados e sequer precisou ser votado pelos senadores. O presidente Jair Bolsonaro também afirmou que não vetará proposta de até R$ 2,5 bilhões.

Na votação, 223 deputados decidiram pela derrubada do veto contra 193. Eram necessários, porém, 257 votos para derrubá-lo. Além da questão relativa à multa, o veto mantido impede mudanças nos critérios de elegibilidade dos candidatos.

Na proposta vetada, o candidato só seria considerado inelegível até o momento do registro da candidatura. Se não tivesse nenhum processo até o momento do registro da candidatura, ele poderia se eleger sem restrições legais. Os deputados, no entanto, impediram a mudança.

A sessão desta terça do Congresso retomou a votação dos vetos presidenciais envolvendo alterações nas regras eleitorais. Na sessão anterior, há uma semana, os parlamentares mantiveram o veto à recriação da propaganda partidária semestral na televisão e no rádio.

Fundo encolhido

Diante da sinalização de que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vetará a destinação de R$ 3,8 bilhões para o fundo eleitoral, líderes partidários começaram a discutir a possibilidade de encolhê-lo para R$ 2,5 bilhões.

Deputados avaliam que seria melhor negociar um acordo com o Palácio do Planalto e garantir um valor menor, a fim de não correr o risco de ficar sem uma fonte de custeio das campanhas nas eleições municipais de 2020.

Originalmente, o governo desejava destinar R$ 2 bilhões para bancar essas disputas locais. Presidentes e líderes de partidos que representam a maioria dos deputados e senadores, porém, haviam articulado a elevação do valor desse fundo em mais R$ 1,8 bilhão.

Congressistas afirmam que houve uma reação negativa da sociedade a esse aumento e passaram a discutir alternativas. A redução foi debatida em reunião nesta terça-feira (10), segundo informações de integrantes de três partidos que apoiaram o fundo de R$ 3,8 bilhões.

Bolsonaro diz que não veta até R$ 2,5 bilhões

O presidente Jair Bolsonaro sinalizou a líderes do Congresso que não vetará o fundo eleitoral caso a proposta seja de R$ 2,5 bilhões. O recado foi dado nesta terça-feira (10), aos parlamentares durante reunião convocada para fechar acordo sobre votações no Legislativo até o fim do ano.

Voltar Todas de Política

Compartilhe esta notícia:

Presidente do Senado não pautará votação do projeto de lei da prisão em segunda instância
Polícia Federal investiga ex-senador Romero Jucá e filho em suposto esquema de candidaturas laranjas em Roraima
Deixe seu comentário
Pode te interessar