Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Com a reforma da Previdência, a aposentadoria especial deixa de ser integral

Disparada do Dólar pode impulsionar vendas no Brasil

A disparada pode refletir de forma positiva para o segmento exportador.(Foto: Marcos Santos/USP Imagens)

A alta da moeda americana provoca diversos resultados no mercado brasileiro. No começo de setembro, o dólar subiu 0,98% e chegou a R$ 4,1822, maior cotação desde o último histórico, há quase um ano. Com isso, as movimentações financeiras no Brasil sofreram grandes modificações e, para as empresas exportadoras, a disparada da moeda pode ter um lado positivo.

Segundo Edmilson Milan, vice-presidente de exportação da Associação dos Dirigentes de Marketing e Vendas do Brasil (ADVB/RS), a alta do dólar possibilita aos exportadores o recebimento de uma quantidade maior em reais pelos dólares de suas exportações. Além disso, Milan afirma que “o dólar alto também pode melhorar a competitividade de preços das empresas exportadoras, pois seus produtos podem ficar mais competitivos em dólares, o que possibilita até mesmo uma redução do preço em dólar nos mercados internacionais.”

Para o vice-presidente, há diversas ações que as empresas exportadoras podem utilizar para “travar” esta taxa de câmbio favorável para as próximas exportações, no mercado de câmbio. “Para as empresas importadoras que possuem também exportações, costuma-se dizer que estas possuem o hedge natural, que significa proteção, ou seja, as variações cambiais das importações são protegidas pelas mesmas variações cambiais favoráveis às exportações”, complementa.

O que pode ser positivo e estratégico para as empresas pode não ser tão favorável para os consumidores, visto que muitos produtos sofrem alteração de preço. “O destaque sempre é o nosso pão. Pelo consumo no dia a dia, ele é impactado pela alta da farinha, por sua vez impactada pelo aumento no custo do trigo em reais”, enfatiza Milan. O especialista também ressalta que existem várias matérias primas e produtos de linhas de produção que são importados. Por isso, a alta do dólar pode auxiliar as exportações gaúchas, uma vez que os produtos ficam mais competitivos no mercado internacional.