Últimas Notícias > Capa – Você viu > O Facebook sabia de brecha em sistema de login, mas não avisou usuários

Falta de experiência

O futuro do Cais Mauá será tema de audiência pública, às 10h de amanhã, na Assembleia Legislativa. Iniciativa do deputado estadual Sebastião Melo. (Foto: Michael Paz/Agência ALRS)

O governo do Estado interpretou de forma equivocada os 39 votos favoráveis obtidos no 2º turno, retirando a exigência de plebiscito para venda de estatais. A sessão plenária do dia 7 deste mês deixou a impressão de que a maioria estava garantida dali para frente. Na Assembleia Legislativa, ocorrem surpresas.

Parou

Ontem, pela segunda vez consecutiva, não houve decisão sobre as indicações do presidente e dos diretores do Banrisul, que devem ser avaliadas pela Assembleia. O deputado Pedro Pereira, do PSDB, reprisou a rebeldia, dizendo que votaria contra. Logo depois, a deputada Juliana Brizola pediu verificação do quorum. Eram necessários 28 deputados no plenário e só 25 acionaram o botão do placar eletrônico. A votação foi adiada para a próxima semana. Até lá, o governo terá um abacaxi para descascar, sem faca.

Sintomático

A bancada do MDB com oito deputados, e que integra a base do governo, não registrou presença no plenário, determinando obstáculo que o governo não imaginava. A dificuldade do Executivo começou na sessão do dia 14 deste mês, quando o deputado Sebastião Melo indagou na tribuna sobre o critério de aumento salarial da direção do banco. Enfatizou que não era contra os nomes, mas criticou a falta de transparência sobre a mudança de remuneração. A votação foi suspensa.

Está claro

O governo errou no tempo. Se tivesse revisado os salários da diretoria do Banrisul após a aceitação dos nomes indicados, a aprovação na Assembleia seria pacífica, como ocorre há décadas.

No Palácio Farroupilha, é assim: para virar o vento, pode demorar um mês, um dia, uma hora ou um minuto.

Buscando um rumo

O imbróglio do Cais Mauá será tema de audiência pública, às 10h de amanhã, na Assembleia Legislativa. Todas as partes envolvidas confirmaram comparecimento, com exceção do governo. O deputado Sebastião Melo pediu ontem cópia do relatório técnico do Tribunal de Contas do Estado, contrário à renovação do contrato com a empresa vencedora do edital em 2010 e que pouco fez.

Chantagem

Passados três meses e 22 dias das posses, pode-se concluir que o Congresso é novo na composição e antigo nos hábitos. Prova disso é que, para discutir e aprovar a reforma da Previdência, uma quantidade considerável de parlamentares exige a ampliação do número de ministérios. Hoje são 22. Querem aumentar para 29. Manobra para abrir vagas a afilhados que se tornam cabos eleitorais na próxima campanha, ampliando o círculo do poder.

Não há nada de interesse público na tentativa dos parlamentares.

Gesto incontido

Criar mais sete ministérios só fará disparar as despesas. Na gestão pública é assim: sempre encontram um jeito de gastar, e cada vez mais, o dinheiro arrecadado dos impostos.

Frustram esperança

A ampliação do ministério talvez seja o preço que o presidente Jair Bolsonaro tenha de pagar, se quiser aprovar a reforma da Previdência. Trapaça que maus parlamentares querem aplicar. Situação de envergonhar muitos dos eleitores. A 7 de outubro, quando foram às urnas, a esperança era de que haveria mudança para melhor.

Dever de resistir

Espera-se que o presidente Bolsonaro resista e não ceda à chantagem de parlamentares inescrupulosos. A Previdência precisa de reforma para eliminar privilégios, tornando-se segura e capaz de, no futuro, pagar pensões e aposentadorias. Com o déficit aumentando a cada ano, o risco é grande. Basta olhar os números, o que os maus parlamentares não querem fazer. Buscam cargos e mais cargos. Custe o que custar.

No espelho

Os Estados brasileiros se dividem em duas categorias: alguns são difíceis de governar e outros, impossíveis.

Deixe seu comentário: