Terça-feira, 21 de Janeiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
24°
Fair

Economia Governo exclui do MEI profissões ligadas ao setor cultural

Músicos estão entre as profissões excluídas.

Foto: Reprodução
Músicos estão entre as profissões excluídas. (Foto: Reprodução)

A Resolução nº 150, publicada no DOU (Diário Oficial da União) na sexta-feira (7) pelo Ministério da Economia, exclui uma série de ocupações ligadas à cultura do sistema de MEI (Microempreendedor Individual), a partir de 1º de janeiro.

Neste ano, o programa de Microempreendedor Individual completou 10 anos, e segundo o Sebrae, o MEI é a única fonte de renda de 1,7 milhão de famílias no Brasil e foi responsável por tirar mais de 2 milhões de empreendedores da informalidade.

Pela resolução elaborada pelo Comitê Gestor do Simples Nacional, foram excluídas 17 ocupações, dentre elas seis ligadas diretamente ao setor cultural: Cantor/Músico Independente; DJ/VJ; Humorista/Contador de Histórias; Instrutor de Arte e Cultura/ Instrutor de Música. Outras três subclasses, voltadas ao desenvolvimento e licenciamento de programas de computador, também podem ter impacto no setor. A mesma resolução incluiu outras cinco categorias no MEI, como motorista de aplicativo, serralheiro e quintandeiro.

No programa de Micrompreendedor Individual, o profissional que faz a adesão deve faturar até R$ 81 mil e podeter um CNPJ, emitir notas fiscais por um custo fixo de R$ 55,90 ao mês e de contribuir para o INSS. Quem optar por transformar o registro de MEI em ME (Micro Empresa), passa a ter uma tributação fixa por cada nota emitida, com percentual definido por cada categoria, além de despesas mensais obrigatórias de contabilidade.

O tema repercutiu em redes sociais e grupos de WhatsApp de artistas e produtores culturais, que temem que muitos profissionais que atualmente trabalham como MEI, acabem voltando à informalidade.

De acordo com o IBGE, o percentual de trabalhadores informais aumentou de 38,3% em 2014 para 45,2% em 2018. A análise leva em conta tanto trabalhadores com carteira assinada quanto trabalhadores que contribuem para a previdência social, mesmo que autônomos.

Conforme a PNAD Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), uma das fontes de dados usados pelo IBGE, o setor cultural ocupava, em 2018, mais de 5 milhões de pessoas, representando 5,7% do total de ocupados no País.

Voltar Todas de Economia

Compartilhe esta notícia:

Secretaria da Agricultura suspende multa para quem perdeu prazo de vacinação contra febre aftosa
Operação apreende veículos com mais de 51 mil reais em multas
Deixe seu comentário
Pode te interessar