Últimas Notícias > Colunistas > De olho nas manifestações do dia 30, STF decide manter Lula preso

O PT defende Temer contra a Operação Lava-Jato para não perder o discurso de perseguição a Lula

Lula e Michel Temer são alvos da Operação Lava-Jato. (Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula)

Depois de três anos de críticas frequentes, o PT se viu obrigado a defender Michel Temer (MDB), que foi preso na quinta-feira (21), em São Paulo, pela Polícia Federal, e solto nesta segunda-feira (25). Com risco de ver o discurso de perseguição ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva enfraquecido, o PT passou a tratar a prisão de Temer também como um caso de atuação política da Lava-Jato.

Desde sexta-feira (22), os dirigentes petistas adotaram um tom ainda mais duro em defesa do emedebista, responsável por encerrar o ciclo de 13 anos da legenda no poder ao assumir a Presidência da República em 2016, após o impeachment de Dilma Rousseff.

“O que a gente tem visto na Lava-Jato é a utilização de mecanismos judiciais para fazer política, para ganhar mídia, para disputar poder e protagonismo”, afirmou a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, ao ser perguntada sobre a prisão de Temer durante reunião do diretório nacional da sigla, realizada no último fim de semana, em Brasília.

Em uma nota divulgada horas após a prisão de Temer, o partido afirmava “esperar que a decisão tenha se dado com base em fatos consistentes, respeitando o processo legal, e não apenas por especulações e delações sem provas”. Gleisi, ainda assim, acusou o emedebista de ter “prestado um papel deplorável à democracia” no impeachment de Dilma.

“Politicamente e economicamente, não há nenhuma defesa do Temer. Isso não quer dizer que a gente vá analisar o processo judicial com base em quem ele se aplica. As regras constitucionais existem para serem cumpridas”, declarou Gleisi.

Vice-presidente do partido, o deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) concorda com as críticas e alega que a prisão se deu de forma “apressada”, sem respeitar os procedimentos legais. O parlamentar disse não acreditar que as denúncias do PT de que Lula é perseguido se enfraquecem agora com outro ex-presidente da República alvo da Lava-Jato.

“As pessoas estão cada vez mais conscientes de que a prisão do Lula é ilegal”, declarou Teixeira. Para o deputado, a prisão de Temer vai, inclusive, ajudar nas mobilizações: “Vai chamar ainda mais a atenção para a forma como a Lava-Jato atua”.

Em reunião do seu diretório nacional, o PT mais uma vez reafirmou a bandeira da defesa da liberdade de Lula. O partido planeja uma série de atos pelo País para marcar um ano da prisão do seu principal líder, no dia 7 de abril, e o julgamento pelo Supremo da manutenção ou não do início do cumprimento da pena após condenação em segunda instância, previsto para o dia 10 de abril.

Deixe seu comentário: