Sábado, 18 de Janeiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
19°
Fair

Mundo O teste nuclear feito pela Coreia do Norte em 2017 foi 16 vezes mais potente do que a bomba de Hiroshima

Líder norte-coreano Kim Jong-un inspecionando uma aparente bomba de hidrogênio em 2017. (Foto: Reprodução)

Uma estimativa atualizada indica que o teste nuclear de setembro de 2017 realizado pela Coreia do Norte foi equivalente a 250 quilotons de TNT – uma capacidade explosiva 16 vezes maior do que a bomba lançada em Hiroshima durante a Segunda Guerra Mundial. A explosão também apresentou uma ordem de magnitude maior que os cinco testes anteriores feitos pelo país.

Uma pesquisa publicada esta semana no Journal of Geophysical Research: Solid Earth forneceu novas estimativas para um teste nuclear subterrâneo conduzido pela República Popular Democrática da Coreia do Norte em 3 de setembro de 2017.

A bomba, detonada no local de testes nucleares de Punggye-ri no Monte Mantap, produziu 250 quilotons de TNT, de acordo com a nova pesquisa. Considerando que essas estimativas não são estritamente precisas, esse número pode chegar a 328 quilotons.

O teste de 2017 também foi de uma ordem de magnitude maior do que qualquer um dos testes anteriores realizados no local de 2006 a 2016, indicando um aumento repentino na capacidade.

Os autores do novo estudo elaboraram uma estimativa mais precisa levando em conta a geologia da região. Para determinar o poder dessas armas à distância, os cientistas estudaram as ondas sísmicas produzidas por esses testes.

A Coreia do Norte retirou-se do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares em 2003 e começou a testar armas nucleares em 2006. O país já realizou um total de seis testes, cada um mais potente que o anterior. Mas, conforme mostra a nova pesquisa, a diferença detectada entre o quinto e o sexto é particularmente alarmante. O salto de cerca de 20 quilotons para 250 quilotons significa um aumento dramático no potencial nuclear da Coreia do Norte.

“O mais assustador é que era uma bomba muito grande”

“De 2006 a 2016, a Coreia do Norte aumentou de forma constante o tamanho dos eventos, de algo em torno de 1 quiloton para cerca de 20 quilotons. Os primeiros resultados pareciam não ser muito bons, porque eram incomumente pequenos”, disse o co-autor Thorne Lay, sismólogo da Universidade da Califórnia em Santa Cruz, em um comunicado da American Geophysical Union à imprensa. “E então, em um ano, eles saltaram para cerca de 250 quilotons. O mais assustador é que era uma bomba muito grande.”

Esta nova estimativa não é totalmente surpreendente. O teste de 2017 desencadeou um terremoto de magnitude 6,3 – um evento que literalmente moveu montanhas. A explosão subterrânea também causou o colapso da câmara nuclear no local de testes de Punggye-ri.

Voltar Todas de Mundo

Compartilhe esta notícia:

A produção industrial de móveis no Rio Grande do Sul cresceu mais de 7% nos primeiro trimestre
Após derrota no Tribunal Regional Federal em Porto Alegre, Lula pede absolvição e anulação do processo do sítio de Atibaia
Deixe seu comentário
Pode te interessar