Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Justiça acolhe denúncia que envolve empresa de Joesley Batista e fundos de pensão

Rival do Google, a Amazon lançou a sua própria versão do dispositivo que transforma a TV comum em “smart TV”

O Brasil é um dos mais de cem países em que o dispositivo está sendo lançando. (Foto: Reprodução)

A Amazon começou a vender nessa terça-feira o Fire TV Stick Basic Edition, um aparelho com o formato de um pen-drive e que faz os televisores comuns ganharem características das chamadas “smart TVs”. O Brasil é um dos mais de cem países em que a empresa está lançando o dispositivo, que pode ser configurado para o idioma português praticado no Brasil.

Ele funciona de forma similar ao Chromecast, do Google, mas possui uma diferença crucial. Assim como o rival, basta plugá-lo na entrada HDMI da TV. Diferentemente do concorrente, no entanto, conta com um controle remoto próprio. Assim, o conteúdo não é transmitido do celular para o televisor. Graças ao controle, também é possível jogar games.

O Fire TV Stick Basic Edition é compatível com o Amazon Prime, serviço de vídeo sob demanda da Amazon, e cerca de 4 mil aplicativos, como YouTube e Spotify. Versão simplificada do Fire TV Stick, lançado em 2014, o eletrônico não reproduz vídeos em 4K ou em HDR. Também não é possível contar a ajuda da Alexa, a assistente pessoal da Amazon.

Como a Amazon ainda não faz venda diretas no Brasil, os interessados têm de acessar a versão norte-americana da loja eletrônica e fazer a encomenda internacional. Custa US$ 50 (R$ 163). O Chromecast 2 custa R$ 200.

Google

No início de junho, o Google passou a vender no País Chromecast. O aparelho, do tamanho de um pendrive, transmite às TVs o conteúdo de aplicativos instalados em celulares ou tablets, além de mostrar o que está na tela de computadores e notebooks.

Com o Chromecast, o Google quer um espaço na sala de estar das pessoas. Na briga, estão o Xbox (Microsoft), Apple TV (Apple) e PlayStation (Sony). A atenção dessas gigantes da tecnologia ocorre porque a TV é o aparelho que mais possui usuários em todo o mundo, a despeito do avanço dos celulares inteligentes e dos tablets.

De acordo com a consultoria KPCB, são mais de 5 bilhões de usuários em todo o muundo, à frente dos smartphones (1,6 bilhão), dos notebooks (790 milhões), dos desktops (743 milhões) e dos tablets (439 milhões).

Mais simples que seus rivais, o Chromecast transforma TVs em aparelhos conectados. Ainda assim, o Google diz que não deve competir com as TVs inteligentes, mas oferecer um dispositivo complementar a elas.

O Chromecast deve ser conectado à entrada HDMI das TVs e ser configurado com um aplicativo, disponível por enquanto para iOS e Android. Feito isso, é possível exibir na TV o conteúdo dos aplicativos para smartphone ou do tablet que forem compatíveis –no alto da tela, um ícone similar a uma TV indica aqueles que possuem suporte.

É possível fazer essa transmissão, por exemplo, com os aplicativos do Netflix e YouTube. Celulares e tablets também passam a funcionar como controles-remotos, permitindo alterar o volume do som e escolher outros vídeos.

Para os computadores, o Chromecast funciona como um espelho: mostra o que estiver sendo exibido no Chrome. Como basta ter o navegador instalado, o dispositivo é compatível com os sistemas Windows (a partir do 7), Mac OS (a partir do 10.7) e Chrome OS. Antes, é preciso instalar uma extensão no browser.