Últimas Notícias > Capa – Magazine > Eduardo Bolsonaro passa final de semana em Bento Gonçalves, na Serra gaúcha

Suposto clipe novo de Madonna gera confusão com Câmara Municipal de Sintra, em Portugal

Madonna foi vista gravando pelas ruas Sintra, uma das cidades mais importantes de Portugal. (Foto: Reprodução / Instagram)

Nas últimas semanas, Madonna andou gravando cenas pelas ruas de Sintra, uma das cidades mais importantes de Portugal. Esse alvoroço, ao que tudo indica, deve ser para um videoclipe.

Uma das datas escolhidas para as filmagens foi palco de um certo desconforto. Segundo o jornal português Expresso, a produtora responsável pelo material pretendia gravar no hall principal de um palácio de propriedade da Câmara Municipal. O interesse da rainha no local seria pela grandiosidade da arquitetura do prédio, construído no século XVIII.

O pedido foi recebido pelos serviços da autarquia há mais de um mês e não citava o nome de Madonna. Sempre referindo-se a uma “cantora conhecida mundialmente no mercado internacional”. As filmagens, que seriam feitas no período noturno entre as 17h da tarde e 7h da manhã, foram liberadas sem maiores problemas, exceto pela sugestão de pequenas alterações que garantissem uma maior segurança para todos, incluindo a estrutura do espaço.

No último dia 15, já com as gravações em andamento, é que os problemas teriam começado. Madonna já estava no local quando sua equipe chegou com um “objeto” não listado no plano enviado às autoridades – um cavalo. O roteiro do clipe, que supostamente se chamaria ”Indian Summer”, dizia de que uma das cenas traria “um cavalo deitado no chão interagindo com a protagonista”.

Meio perdidos com a devolutiva de que a presença do animal não seria permitida, os produtores entraram em contato com o gabinete da prefeitura para reverter a situação. Uma fonte disse ainda ao jornal português que os representantes “tentaram de tudo e até disseram que falariam com o primeiro ministro”, mas não adiantou. A decisão foi tomada e o script planejado precisou sofrer alterações, cancelando as cenas. Três policiais a paisana chegaram a ser enviados ao local para evitar maiores confusões.

Questionado pelo jornal, o presidente da Câmara, Basílio Horta, disse que tomou aquela que seria a decisão mais prudente ao impedir que o animal fosse inserido nas dependências. Horta também deu explicações, dizendo que o chão do local é formado por assoalho de madeira, o que ficaria facilmente danificado.

Em sua opinião, ao contrário do que vem sendo dito, os agentes da cantora foram tratados com civilidade, como qualquer outro cidadão europeu. O dinheiro, em suas palavras, nem sempre é a saída: “em condição nenhuma deixaria entrar um cavalo no palácio, não tem qualquer sentido! A Madonna é uma artista, mas o palácio é de todos e não é para ser estragado. Há coisas que o dinheiro não paga”.

O 14º álbum de estúdio da Madonna, que sucede o lançamento de “Rebel Heart”, em 2015, vem influenciado pela cultura portuguesa e deve chegar ainda em 2019.

Deixe seu comentário: