Quinta-feira, 09 de dezembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
19°
Partly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Armando Burd 30 anos de momento histórico

Compartilhe esta notícia:

Ulysses Guimarães presidiu a Constituinte. Artigos ainda não foram totalmente regulamentados e críticas ao texto final persistem até hoje. (Foto: Ricardo Stuckert)

Às 14h40min do dia 22 de setembro de 1988, pela última vez, 491 constituintes apertaram os botões de suas mesas no plenário. Estava aprovada a nova Constituição Federal, substituindo a de 1967. Foram 474 votos a favor, 15 contra (todos do PT) e seis abstenções. No total, somaram 340 sessões de trabalho desde 1º de janeiro de 1987. “Chegamos, nós chegamos”, disse emocionado no microfone o presidente da mesa diretora, Ulysses Guimarães.

A promulgação ocorreu a 5 de outubro.

Quem já está eleito

Independente de quem seja o futuro presidente da República, o Centrão já ganhou. Nenhum conseguirá governar sem o apoio do conhecido conjunto de partidos que se molda às conveniências e garante apoio sem vacilar.

Fase explosiva

A duas semanas das eleições, assessores de candidatos à Presidência da República reelaboram a fórmula criada por Ascanio Sobrero em 1847. É o pai da nitroglicerina pura, que se torna o principal combustível na reta final da campanha. O poderoso explosivo, muito sensível aos choques e que produz calor e gás, será detonado com frequência diária.

Tarefas adicionais

Além de se preocupar com a saúde, Jair Bolsonaro tenta neutralizar declarações mais fortes do vice Hamilton Mourão e do consultor de Economia, Paulo Guedes.

A caminhão de 1 trilhão

A dívida total dos 26 Estados e do Distrito Federal somava, ontem à tarde, 827 bilhões de reais. Nos últimos quatro anos, subiu 28 por cento. Mesmo assim, há 186 candidatos concorrendo aos governos e dispostos a descascar o abacaxi (160 homens e 26 mulheres).

Entre os que mais inscreveram filiados para concorrer estão PSol (25), PSTU (17), PT (15), MDB e PSL (13 cada) e PSDB (12).

Dá para comparar

Fotografia do país a 22 de setembro de 1994, quando faltavam 14 dias para as eleições presidenciais: 1) havia impasse na greve de 63 mil metalúrgicos da Grande São Paulo, que atingia uma semana. Queriam maior abono para cobrir a perda salarial do mês anterior; 2) as pesquisas apontavam vantagem de mais de 20 pontos percentuais do candidato Fernando Henrique Cardoso sobre o adversário Luiz Inácio Lula da Silva; 3) durante almoço com jornalistas, Fernando Henrique disse que “não há mais notícia, a campanha acabou”; 4) Lula reconheceu, em entrevista, que errou ao criticar o Real, acrescentando que “não basta dizer que o Plano não presta”.

Visão externa

Há dez anos, o jornal francês Le Monde publicou que “o Brasil se transformou num vaudeville”, que identifica o teatro de variedades. Acrescentou: “É neste palco que o povo sofre overdose de escândalos políticos.”

Nada mudou.

Corrida contra o tempo

O governador Ildo Meneghetti, a 22 de setembro de 1958, atribuiu a atos de sabotagem o atraso no término da ponte sobre o rio Guaíba. Citou fatos como areia nos motores, a quebra de máquinas e incitação à greve dos trabalhadores. Tornou-se tema de debate na campanha ao Palácio Piratini, disputada por Leonel Brizola e Peracchi Barcellos.

Meneghetti, a 28 de dezembro do mesmo ano e seis meses antes de concluir o mandato, inaugurou a obra, que recebeu o nome de Régis Bittencourt. Como Brizola venceu a eleição, trocou em 1959 para Getúlio Vargas. A mudança, porém, nunca teve homologação do governo federal.

Medo do calote

Teste de coragem para qualquer candidato: chegar em uma gráfica e dizer que precisa de muitos impressos, mas que o pagamento só poderá ocorrer depois do dia 7. Corre o risco de ver, subitamente, cair um balde de tinta na roupa.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Armando Burd

Uso de recursos do FGTS para Santas Casas gera críticas
Sartori contrata dois mil PMs para atuarem no próximo governo
Deixe seu comentário
Pode te interessar