Segunda-feira, 24 de Fevereiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
23°
Fair

Brasil A dívida bruta brasileira chegou a mais de 5 trilhões de reais em maio

Dívida bruta brasileira atinge 78,7% do PIB em maio, diz Banco Central. (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)

A dívida bruta brasileira chegou a R$ 5,48 trilhões em maio, informou o Banco Central na sexta-feira. O montante equivale a uma fatia de 78,7% do PIB (Produto Interno Bruto). A tendência é que o endividamento continue alto, já que o governo não tem dinheiro para abater os juros que incidem sobre a dívida. A expectativa do próprio governo é que ela avance a 80% até o final deste ano. As informações são do jornal O Globo.

O montante se manteve praticamente estável na comparação com o registrado em abril, quando a relação entre dívida bruta e PIB atingiu o maior percentual da série histórica, iniciada pela autoridade monetária em 2006; 79% do PIB. Segundo o BC, a devolução de recursos pelo BNDES ao Tesouro Nacional contribui para uma ligeira diminuição. Os recursos foram usados para abater o estoque.

O indicador é um dos principais aspectos levados em conta por agências de classificação de risco internacionais. Hoje, o patamar registrado no Brasil é maior que a média registrada entre países emergentes, cujo endividamento representa cerca de 50% do PIB. Em 2010, a relação entre a dívida bruta e o PIB brasileiro era de 52%.

A informação, dada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, de que o governo pode ainda liberar mais de R$ 100 bilhões de recursos na economia por meio da redução de depósitos compulsórios – dinheiro que os bancos são obrigados a deixar depositados no Banco Central – também pode impactar a dívida bruta. Isso porque, quando esse dinheiro entra no mercado, o BC acaba tendo que fazer operações compromissadas (que aumentam o estoque) para enxugar a liquidez.

O chefe do departamento de estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha, admitiu essa possibilidade nesta sexta-feira ao comentar o anúncio de Guedes. Ele, no entanto, disse que esse impacto não é automático. Segundo ele, é preciso aguardar os efeitos do que já foi efetivamente anunciado pelo BC, uma redução no compulsório a prazo, o que vai liberar R$ 16,1 bilhões na economia.

“Caso as condições de liquidez da economia não fossem afetadas por outros fatores, se efeito líquido desse fator for aumentar operações compromissadas, dívida bruta aumenta. Mas não é efeito mecânico, depende de uma série de condições. Depende do que os bancos vão fazer com os R$ 16 bilhões, oferecer mais, o mesmo ou menos que isso”, disse Rocha.

Déficit primário

O Banco Central também informou que as contas do setor público fecharam o mês de maio no vermelho, depois da melhora registrada em abril. Na prática, as receitas foram menores que as despesas nesse período. O saldo negativo foi de R$13 bilhões, ante aos R$8,2 bilhões registrados no mesmo mês de 2018.

O número foi puxado pelo governo federal, que registrou um déficit de R$ 13,2 bilhões. Já os governos dos Estados registraram um superávit de R$1,2 bilhões. Nas empresas estatais, o cenário também foi deficitário em R$1,1 bilhão em maio.

Apesar do resultado deste mês, as contas públicas terminaram os primeiros cinco meses do ano no azul, com um superávit de quase R$ 7 bilhões, puxado pelo saldo positivo dos Estados. No acumulado do ano, esse cenário favorece o cumprimento da meta fiscal para 2019 que, ainda assim, é de rombo: União, Estados, municípios e empresas estatais não podem ultrapassar R$ 132 bilhões no vermelho este ano. Será o sexto ano seguido de déficit. Ao longo de 2018, as contas do setor público tiveram um déficit primário R$ 108 bilhões.

De acordo com Fernando Rocha, o saldo positivo do acumulado do ano tende a se reverter no próximo semestre:

“Tivemos um grande superávit em janeiro, outro em abril, devido à sazonalidade melhor do começo do ano (pagamento de impostos). Nos próximos meses, a sazonalidade é pior, e o superávit vai se reduzir progressivamente ao longo do ano até virar déficit, e ir crescendo”, afirmou Rocha.

tags: dívida

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Bolsonaro desiste de citar Venezuela em seu discurso para não polemizar com Putin
Reunião da OEA termina em desacordo sobre delegação da oposição da Venezuela
Deixe seu comentário
Pode te interessar