Segunda-feira, 30 de Novembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
23°
Fair

Saúde A realização do exame de mamografia reduz em até 41% a mortalidade por câncer de mama

Compartilhe esta notícia:

A mamografia é o exame de escolha pra reduzir mortalidade de câncer de mama. (Foto: Reprodução)

O médico mastologista Rafael Sá afirmou que o exame de mamografia reduz em até 41% a mortalidade de mulheres por câncer de mama. Sá citou o dado de um estudo sueco divulgado neste ano ao falar sobre a importância da prevenção da doença, especialmente no Outubro Rosa, mês dedicado a ações de conscientização sobre o câncer de mama

“Saiu um estudo este ano, um estudo sueco, mostrando que realmente a mamografia é o exame de escolha pra reduzir mortalidade de câncer de mama. Ele reduz, em populações que fazem o exame, em até 41% a mortalidade a longo prazo daquelas mulheres que fazem o exame, então, é um exame muito importante”, afirmou o mastologista.

O especialista também falou sobre sinais e possíveis sintomas que as mulheres podem suspeitar de um possível câncer de mama.

“O câncer de mama é uma doença muito heterogênea. Então, muitas mulheres podem ter de formatos diferentes uma da outra. O que é mais comum é quando a paciente tem uma lesão palpável, então, tem um nódulo diferente, mais endurecido que é imóvel, ele não se mexe, ou quando a paciente sente na pele da mama uma região mais avermelhada que possa ter uma descamação, ou também quando tem uma secreção mamilar, que sai uma secreção que parece do sangue, que a gente fala que é sanguinolenta ou água de rocha. Então, é uma doença que tem vários aspectos diferentes. O que é importante, quando tiver uma dúvida, é procurar um médico especialista pra ser avaliado e confirmar se isso trata-se de um achado normal ou se tem uma doença ali sendo instalada”, explicou Sá.

Na entrevista, o mastologista ainda falou sobre o início da Campanha Outubro Rosa, os tipos de tratamento para o câncer de mama, a incidência de câncer de mama entre os homens e a importância de possuir um hospital específico para tratamento oncológico.

O médico afirmou que mulheres que sentirem ou perceberem qualquer alteração no corpo devem procurar um profissional de saúde para analisar a situação.

“A mensagem que nós deixamos é que quanto antes melhor. A paciente precisa o quanto antes fazer o exame de rotina e, se perceber algo diferente, procurar o seu médico. Pode ser o médico clínico da UBS [Unidade Básica de Saúde], pode ser o seu médico clínico de consultório particular, pode ser seu ginecologista, seu geriatra e até o seu médico mastologista. Importante que mostre as mamas com suas alterações devidas para serem examinadas e também fazer os exames pra poder chegar ao diagnóstico”, afirmou Rafael Sá.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Com mais 27 mortes, o Rio Grande do Sul chega a 5.581 óbitos por coronavírus
O Brasil registrou 13.493 novos casos de coronavírus e 157 mil mortes pela doença
Deixe seu comentário
Pode te interessar