Sexta-feira, 25 de Setembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Fair

Cinema A sequência de “Malévola” superou “Coringa”, mas se tornou a pior estreia da Disney em 2019

Compartilhe esta notícia:

Angelina Jolie dá vida à Malévola pela segunda vez. (Foto: Divulgação)

Cinco anos após a Malévola de Angelina Jolie lançar um feitiço sobre bilheterias, a encantadora vilã voltou ao topo das bilheterias dos Estados Unidos.

A produção da Disney Malévola: Dona do Mal, uma sequência do filme de 2014 baseado na bruxa de A Bela Adormecida estreou com arrecadação de 36 milhões de dólares em 2.790 cinemas dos EUA, quase metade do que o primeiro filme arrecadou em seu fim de semana de estreia (69 milhões de dólares).

Apesar de estrear abaixo das projeções antes do fim de semana, Malévola: Dona do Mal facilmente superou a concorrência, incluindo Coringa, da Warner Bros, e o estreiante da Sony Zombieland 2.

A sequência de Malévola desfrutou da posição de ser uma das poucas opções para jovens espectadoras em um mercado amplamente dominado por títulos voltados para homens, como Coringa e Projeto Gemini, da Paramount. Mulheres representaram 56% das espectadoras, das quais cerca de 50% têm menos de 25 anos.

Malévola: Dona do Mal registrou o pior fim de semana de abertura do ano para a Disney e agora dependerá de bilheterias mundo afora para recuperar o orçamento de 185 milhões de dólares.

O filme teve exibições muito mais promissoras no exterior, arrecadando 117 milhões de dólares de uma estreia global de 150 milhões de dólares. O primeiro filme da sequência estreou com uma impressionante arrecadação de 517 milhões de dólares no exterior e outros 241 milhões de dólares no mercado doméstico.

Elle Fanning também voltou às telas na sequência, unindo-se a Michelle Pfeiffer, Ed Skrein e Chiwetel Ejiofor, estreantes na série. Malévola: Dona do Mal foi dirigido por Joachim Ronning (Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar).

Abaixo, uma lista de cinco motivos pelos quais Angelina Jolie é perfeita para o papel de Malévola.

Talento

O primeiro fato a ser discutido é o talento de Angelina Jolie. Ela iniciou sua carreira de atriz em 1993, com uma ficção científica. Mas sua guinada para o estrelato só começou ao dar vida a Lisa, uma jovem sociopata internada em um hospital psiquiátrico em Garota, Interrompida — que lhe rendeu um Oscar na categoria Melhor Atriz Coadjuvante. Depois disso, sua carreira decolou e ela fez de tudo: ação, comédia, drama e suspense policial. Ou seja, podemos concluir que não falta talento em seu currículo.

Charme e ousadia

Dona de uma personalidade forte, o humor de Jolie se aproxima muito da personagem, capaz de convencer a mais chata das inimigas a não estragar sua manhã. O sarcasmo e a ironia são daqueles que colocam medo em qualquer um, mas também, lá no fundo, são os elementos que mais nos conquistam.

Poderosa

Confiante e com uma presença capaz de silenciar qualquer salão de festas, Jolie mais uma vez prova que nasceu para interpretar Malévola. Um grande exemplo é a cena do batizado de Aurora no longa de 2014, onde a vilã chega por último, mas com uma entrada triunfal, digna de estremecer qualquer corredor — até mesmo os de um castelo pedra — e joga sua maldição do sono no pequeno bebê.

Um foi pouco

Malévola – Dona do Mal é o terceiro live-action da Disney baseado em uma de suas clássicas animações a ser lançado este ano. Melhor que trazer de volta essas personagens que aprendemos a amar em 2014, o novo longa também apresenta maravilhosas adições ao elenco, como Michelle Pfeiffer, Chiwetel Ejiofor e Ed Skrein. Além disso, uma das adições mais interessantes desse universo são os “dark fae”, ou fadas sombrias (em tradução livre) — criaturas da mesma espécie da protagonista. Já podemos esperar um novo filme sobre eles?

Química

As atrizes Angelina Jolie e Elle Fanning se conheceram há cinco anos, quando fizeram o primeiro Malévola. Hoje Fanning está com 21 anos (ela tinha apenas 14 quando fez o primeiro filme), e as duas são muito próximas. A sintonia sincera e rara entre ambas pode ser vista dentro e fora das telas. A química foi tanta que Elle acabou fazendo amizade com os filhos da atriz, que a acompanharam nas gravações.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Cinema

Renée Zellweger desponta como favorita ao Oscar por “Judy”
O cineasta Francis Ford Coppola chamou filmes da Marvel de “desprezíveis”
Deixe seu comentário
Pode te interessar