Quarta-feira, 06 de julho de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
19°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Saúde Aumento de temperaturas reduzirá tempo de sono global

Compartilhe esta notícia:

Os adultos devem dormir de sete a nove horas, de acordo com a Fundação Nacional do Sono dos Estados Unidos.

Foto: Reprodução
Os adultos devem dormir de sete a nove horas, de acordo com a Fundação Nacional do Sono dos Estados Unidos. (Foto: Reprodução)

Pessoas em todo o mundo provavelmente perderão de 50 a 58 horas de sono por ano até 2099 devido ao aquecimento global, revelou um novo estudo.

Os pesquisadores usaram pulseiras com acelerômetros internos para medir a duração e o tempo do sono em mais de 47 mil adultos em 68 países, por uma média de seis meses, para um estudo publicado na revista One Earth.

Os adultos devem dormir de sete a nove horas, de acordo com a Fundação Nacional do Sono dos Estados Unidos. A probabilidade de dormir menos de sete horas aumenta em 3,5% se as temperaturas mínimas externas noturnas excederem 25°C em comparação com a temperatura inicial de 5 a 10°C, segundo o estudo.

“A perda de sono de 3,5% pode inicialmente parecer um número pequeno, mas aumenta”, disse Alex Agostini, professora do departamento de justiça e sociedade da Universidade da Austrália do Sul, em Adelaide. Ela não participou do estudo.

Quando os adultos não têm a quantidade recomendada de sono, eles podem ter problemas de concentração, disse Alex. Os efeitos a longo prazo podem incluir um risco aumentado de alguns problemas de saúde, como doenças cardiovasculares e gastrointestinais, disse ela.

“Muitos de nós viramos a noite toda em algum momento de nossas vidas – imagine fazer isso oito vezes. Como você se sentiria?”, disse Alex.

Uma única noite acima de 30°C reduz o tempo de sono em cerca de um quarto de hora por pessoa, disse o principal autor do estudo, Kelton Minor, doutorando no Centro de Ciência de Dados Sociais da Universidade de Copenhague.

No entanto, os idosos perderam o dobro da quantidade de sono por grau de aquecimento em comparação com adultos jovens ou de meia-idade. Além disso, a perda de sono foi três vezes maior para idosos em áreas de baixa renda em comparação com áreas de alta renda, disse ele. As mulheres também foram cerca de 25% mais afetadas pelo aumento das temperaturas do que os homens, acrescentou Minor.

Adaptação

Os pesquisadores também encontraram evidências de que as pessoas que vivem em climas mais quentes perdem mais sono por grau em comparação com aquelas em climas mais frios, e que as pessoas se adaptam melhor em climas mais frios do que em climas mais quentes. Essa maior perda de sono em lugares mais quentes sugere que as pessoas não podem se adaptar facilmente a temperaturas mais quentes, disse Minor.

À medida que as temperaturas continuam a subir devido ao aquecimento global, Minor projetou que a perda de sono aumentará a um ritmo mais rápido em regiões que já enfrentam climas quentes em comparação com aquelas que não passam pela mesma situação.

As pessoas também não pareciam se ajustar ao calor: a quantidade de sono que as pessoas tinham no primeiro mês do verão, quando as pessoas estavam menos familiarizadas com o calor, e no último mês do verão, quando elas estavam mais familiarizadas com ele, mostraram que perderam quase mesma quantidade de sono, de acordo com Minor.

tags: Você Viu?

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Cientistas investigam pontos ainda não esclarecidos sobre a varíola dos macacos
Perdoar alguém pode fazer bem para o corpo e a mente
Deixe seu comentário
Pode te interessar