Sexta-feira, 10 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
Fair

Mundo Autópsia revela que George Floyd tinha sido contaminado pelo coronavírus

Compartilhe esta notícia:

Americanos fazem homenagem a George Floyd, assassinato por policial branco, em Minneapolis. (Foto: Chandan Khanna/AFP)

A autópsia de George Floyd, o homem negro assassinado pelo policial branco Derek Chauvin, estopim para os protestos que tomam conta dos Estados Unidos, revelou que ele havia contraído o novo coronavírus e chegou a receber o diagnóstico da doença no dia 3 de abril.

Floyd, de 46 anos, morreu depois que Chauvin ajoelhou-se sobre o seu pescoço por quase nove minutos, em Minneapolis, no Estado de Minnesota, em 25 de maio. O vídeo da cena, na qual ele repete várias vezes que não consegue respirar, reacendeu a questão da brutalidade policial contra negros nos EUA, cinco meses antes da eleição presidencial de 3 de novembro.

Por enquanto, não há evidência de que a Covid-19 tenha contribuído para sua morte, já que ele não apresentava sintomas da doença. O legista-chefe do necrotério responsável pela autópsia, Andrew Baker, concluiu que o resultado do teste  “provavelmente reflete positividade assintomática, mas persistente de infecção anterior”.

A autópsia de 20 páginas, divulgada pelo Departamento de Medicina Legal do condado de Hennepin, também revelou que Floyd tinha uma doença cardíaca e um histórico de problemas com pressão alta; além disso, o relatório toxicológico apontou vestígios moderados de metanfetamina e fentanil (um forte opioide usado para dor).

Michael Baden, um dos dois médicos legistas que conduziu uma autópsia particular para a família de Floyd, disse ao jornal The New York Times que as autoridades do condado nunca lhe disseram que Floyd havia testado positivo para a Covid-19. A conclusão das duas autópsias, a oficial e a encomendada pela família, é de que Floyd morreu devido à pressão sobre seu pescoço exercida pelo policial Derek Chauvin.

Antes da pandemia, Floyd trabalhava como segurança em uma casa noturna em Minneapolis e na filial na cidade do Exército da Salvação. Desde março, quando o Estado parou as atividades essenciais por causa do coronavírus, ele estava desempregado, como mais de 42 milhões de americanos que perderam seu trabalho nesse período.

Prisões

Demitido e inicialmente acusado de homicídio em terceiro grau, Chauvin, de 44 anos, será processado também por homicídio em segundo grau. Além disso, a Promotoria de Minnesota anunciou que acusará os outros três policiais demitidos por terem participado da ação de terem ajudado e favorecido o assassinato, e já entrou com mandado de prisão para o trio. Além das manifestações nos EUA, a morte de Floyd provocou protestos em outras partes do mundo, como Londres e Roterdã.

Com a nova acusação, que se soma às outras duas, Chauvin pode receber uma sentença de até 40 anos de prisão, 15 anos a mais do que a sentença máxima para assassinato em terceiro grau, equivalente a homicídio culposo.

Na madrugada desta quinta-feira (4), manifestantes voltaram a desafiar o toque de recolher que vigora em 40 cidades americanas. De acordo com a Associated Press, cerca de 3 mil prisões aconteceram em Los Angeles, Nova York, Dallas e Filadélfia. A maior parte das detenções aconteceu por violações do toque de recolher, mas centenas de pessoas também foram detidas por roubo e saques.

Em Nova York, por volta das 23h, um policial que fazia patrulha no bairro do Brooklyn sofreu uma emboscada e foi ferido com uma faca no pescoço. O agressor foi baleado e outros dois policiais ficaram feridos na ocorrência. Em Washington, houve novamente uma marcha em direção ao Capitólio e, após às 23h, alguns manifestantes também se recusaram a voltar para casa. Mais de 400 pessoas foram detidas.

Enquanto isso, aumentam as críticas às ações do presidente Donald Trump, que na segunda-feira (1º) ameaçou usar os militares para reprimir os protestos. Jim Mattis, ex-secretário da Defesa, que renunciou por discordar da retirada das tropas americanas da Síria, acusou o presidente de tentar “dividir” o país.

“Em toda minha vida, Donald Trump foi o primeiro presidente que não tenta unir os americanos, que não pretende nem sequer tentar”, disse, em comunicado on-line publicado pela revista The Atlantic. “Ao contrário, ele está tentando nos dividir. Somos testemunhas das consequências de três anos sem uma liderança madura.”

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Agência americana aprova o uso emergencial de novo teste para coronavírus
Em meio a duas crises nacionais, a campanha de Donald Trump à reeleição vê números em queda e não esconde preocupação
Deixe seu comentário
Pode te interessar