Quarta-feira, 22 de setembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Política Bolsonaro veta projeto de suspensão de despejo por aluguel atrasado

Compartilhe esta notícia:

Segundo Planalto, projeto contraria interesse público

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Bolsonaro fala na possibilidade de irregularidades nas eleições desde a disputa de 2018, mas nunca apresentou provas. (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro vetou nesta quarta-feira (04) o projeto de lei previa suspender até o fim do ano ações de despejo em virtude do não pagamento de aluguel de imóveis comerciais e residenciais de baixo valor. Segundo o Palácio do Planalto, o projeto aprovado no Congresso Nacional “contraria o interesse público”.

O entendimento da assessoria técnica do presidente, que embasou a decisão, é a que a medida estimula práticas de má-fé de ocupantes irregulares de imóveis.

Em nota, o Planalto alegou que, embora a matéria seja “meritória”, a suspensão de atos de decisões judiciais, extrajudiciais e autotutela de posse que impliquem em desocupação de imóveis públicos no prazo previsto serve de “salvo conduto para os ocupantes irregulares de imóveis públicos, frequentemente, com caráter de má fé”.

Conforme os defensores do projeto, dos deputados André Janones (Avante-MG), Natália Bonavides (PT-RN) e Professora Rosa Neide (PT-MT), a ideia é proteger apenas as famílias mais vulneráveis, aquelas que perderam, em virtude da pandemia, parte da pouca renda que tinham.

O projeto prevê que os imóveis incluídos no projeto se limitem àqueles cujo aluguel custa, no máximo, R$ 600. Além disso, não impede despejos quando ficar comprovado que o dinheiro do aluguel é a única fonte de renda para o proprietário.

O Planalto argumentou, ainda, na justificativa do veto, que o texto pode “consolidar ocupações existentes, assim como ensejar danos patrimoniais insuscetíveis de reparação, como engorda de praias, construções de muros de contenção, edificações, calçadões ou espigões nas áreas de bens de uso comum do povo, ou danos ambientais graves”. O veto presidencial vai agora ser analisado pelo Congresso Nacional.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

CPI da Covid ouve empresário apontado como “número dois informal” do ex-ministro Eduardo Pazuello; acompanhe
Pedro Barros leva a prata no skate park na Olimpíada de Tóquio
Deixe seu comentário
Pode te interessar