Sexta-feira, 18 de Setembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
25°
Fair

Mundo Carga de nitrato de amônio chegou a Beirute em navio russo em 2013

Compartilhe esta notícia:

Danos causados por explosão na área portuária de Beirute, no Líbano

Foto: Reprodução
Número de mortos está em 154 e o de feridos em mais de 5 mil. (Foto: Reprodução)

Enquanto a investigação sobre as origens da explosão devastadora em Beirute continua, as autoridades do país apontaram para uma possível causa: um carregamento maciço de fertilizantes agrícolas teria sido armazenado no porto de Beirute sem precauções de segurança por anos – apesar dos avisos das autoridades locais.

Documentos recentemente revelam que um carregamento de 2.750 toneladas de nitrato de amônio chegou a Beirute em um navio de propriedade russa em 2013. O navio, chamado MV Rhosus, estava destinado a Moçambique – mas parou em Beirute devido a dificuldades financeiras, o que também criou distúrbios com a tripulação russa e ucraniana do navio.

Após chegar, o navio nunca deixou o porto de Beirute, segundo o diretor de alfândega do Líbano, Badri Daher, apesar dos avisos repetidos por ele e outros de que a carga era o equivalente a “uma bomba flutuante”.

“Devido ao extremo perigo apresentado por esses itens armazenados em condições climáticas inadequadas, reiteramos nosso pedido às autoridades portuárias de reexportar as mercadorias imediatamente para manter a segurança do porto e dos que trabalham nele”, disse o antecessor de Daher, Chafic Merhi, em uma carta de 2016 dirigida a um juiz envolvido no caso.

As autoridades libanesas não identificaram nominalmente o MV Rhosus como a fonte da substância que explodiu em Beirute na terça-feira, mas o primeiro-ministro Hassan Diab disse que a explosão devastadora foi causada por 2.750 toneladas de nitrato de amônio. Ele acrescentou que a substância foi armazenada por seis anos no armazém portuário sem medidas de segurança, “colocando em risco a segurança dos cidadãos”.

O chefe de segurança geral do Líbano também disse que um “material altamente explosivo” havia sido confiscado anos antes e armazenado no armazém, que fica a poucos minutos a pé dos bairros de compras e vida noturna de Beirute. A enorme explosão de terça-feira, que abalou a capital, deixou pelo menos 135 mortos e 5.000 feridos.

Na quarta-feira (05), o ministro da Informação do Líbano, Manal Abdel Samad Najd, disse que existem documentos de 2014 comprovando a existência de uma troca de informações sobre o “material” confiscado pelas autoridades libanesas. Ela disse ao canal estatal da Jordânia Al Mamlaka que é considerada uma possível relação com a explosão mortal de Beirute.

Questionada em uma entrevista por telefone se existem descobertas iniciais nas investigações relacionadas à causa da explosão, ela disse: “não há resultados ou esclarecimentos preliminares”.

“Bomba flutuante”

Em 2013, o MV Rhosus partiu de Batumi, na Geórgia, com destino a Moçambique, de acordo com o percurso da embarcação e a conta do seu capitão Boris Prokoshev. Carregava 2.750 toneladas de nitrato de amônio, um produto químico industrial comumente usado em todo o mundo como fertilizante – e em explosivos para mineração.

O navio de bandeira da Moldávia parou na Grécia para reabastecer. Foi quando o proprietário do navio disse aos marinheiros russos e ucranianos que ele havia ficado sem dinheiro e eles precisariam pegar carga adicional para cobrir os custos de viagem – o que os levou a um desvio para Beirute.

O navio era de propriedade de uma empresa chamada Teto Shipping, que membros da tripulação disseram pertencer a Igor Grechushkin, um empresário de Khabarovsk que residia em Chipre.

Uma vez em Beirute, o MV Rhosus foi detido pelas autoridades portuárias locais devido a “violações graves na operação de um navio”, taxas não pagas ao porto e reclamações registradas pela tripulação russa e ucraniana, de acordo com a União de Marítimos da Rússia (afiliada com a Federação Internacional de Trabalhadores em Transportes, ou ITF), que representava os marinheiros russos. E a embarcação nunca retomou sua jornada.

Os marinheiros estavam no navio há 11 meses com poucos suprimentos, de acordo com Prokoshev. “Escrevia para Putin todos os dias. Eventualmente, tivemos que vender o combustível e usar o dinheiro para contratar um advogado, porque não havia ajuda; o proprietário nem sequer nos forneceu comida ou água”, disse Prokoshev em entrevista à rádio Eco Moscou na quarta-feira.

Acabariam por abandonar o navio. “Segundo nossas informações, a tripulação russa foi repatriada para sua terra natal e os salários não foram pagos”, disse o sindicato.  “Na época, a bordo do navio de carga seca havia mercadorias particularmente perigosas –  nitrato de amônio, que as autoridades portuárias de Beirute não permitiram descarregar ou transferir para outro navio”, acrescentou. Em 2014, Mikhail Voytenko, que administra uma publicação online que rastreia a atividade marítima, descreveu o navio como uma “bomba flutuante”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Bolsonaro sanciona prazo de 12 meses para reembolso de passagem aérea
Senado aprova estender auxílio emergencial a agricultor familiar que não tiver recebido benefício
Deixe seu comentário
Pode te interessar