Terça-feira, 04 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
25°
Fair

Mundo Casos de coronavírus disparam em cidade em que houve um comício de Donald Trump

Compartilhe esta notícia:

Departamento de Saúde de Tulsa registrou mais de 200 novos casos diariamente desde a última segunda (6). (Foto: Reprodução/YouTube)

O número de casos de Covid-19 em Tulsa, no Sul de Oklahoma, nos Estados Unidos, aumentou pouco mais de duas semanas depois que o presidente Donald Trump realizou um comício eleitoral na cidade, informou nesta semana a autoridade de saúde local.

Depois que o número de diagnósticos positivos diminuiu 20% entre a semana de 28 de junho e 4 de julho, o Departamento de Saúde de Tulsa registrou mais de 200 novos casos diariamente desde segunda-feira (6), chegando a 266 na última quarta (8).

Quando perguntado se essa explosão de casos foi provocada pelo evento da campanha de Trump em 20 de junho, o diretor de saúde de Tulsa, Bruce Dart, disse que estava “mais do que provável” ligado a “vários eventos importantes que ocorreram recentemente na duas semanas.”

Milhares de apoiadores do presidente participaram do comício de Trump, o primeiro desde o início da pandemia, que ocorreu em um estádio.

O evento chamou a atenção por contar com uma multidão num local fechado, sem distanciamento social e relutante em usar máscaras, como o próprio presidente.

Os organizadores mediram a temperatura na entrada do público e distribuíram máscaras, cujo uso não era obrigatório. E as imagens mostraram uma esmagadora maioria do público com o rosto descoberto.

Vários membros da equipe de campanha republicana testaram positivo para coronavírus antes e depois do comício de Tulsa, assim como vários agentes do Serviço Secreto, responsáveis pela segurança do presidente.

Durante discurso, Donald Trump afirmou ter ordenado reduzir os testes de detecção de Covid-19 para reduzir número de casos. A Casa Branca afirmou, posteriormente, que o presidente estava brincando.

Milhares de pessoas também haviam participado das celebrações do “Juneteenth” em Tulsa no dia anterior, data da libertação dos últimos escravos no Texas em 1865. Mas ao contrário do comício de Trump, quase todos os participantes dessa celebração ao ar livre usavam máscaras e mantinham a distância social necessária.

Auxílio

O assessor econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, afirmou nesta sexta-feira (10) que uma nova rodada de pagamentos de auxílio em razão do impacto econômico do coronavírus deve concentrar-se naqueles norte-americano que não têm mais um emprego para retornar, mencionando que o próximo projeto deve ser “mais rígido” do que as medidas anteriores.

“Esse tipo de assistência econômica provavelmente será direcionado com muito cuidado”, disse Kudlow sobre os pagamentos diretos às famílias norte-americanas. “Isso não será generalizado”, afirmou ele a repórteres na Casa Branca.

“A chave agora é ajudar as pessoas a voltarem ao trabalho”, acrescentou Kudlow. “Teremos algumas reformas no combate ao desemprego. Teremos algumas bonificações no reemprego. Teremos alguma assistência adicional ao impacto econômico de maneira direcionada.”
Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

O governo francês anunciou a implementação de testes de saliva para o coronavírus em seus aeroportos
A Rússia revisa dados e o número de mortos por coronavírus no país mais que triplica
Deixe seu comentário
Pode te interessar