Segunda-feira, 25 de Maio de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
18°
Fair / Wind

Bem-Estar Cerca de 420 mil pessoas morrem todo ano por ingerir alimentos não saudáveis

Compartilhe esta notícia:

Uma boa alimentação é indispensável no cuidado à saúde.

Cerca de 420 mil pessoas – um terço delas menores de 5 anos – morrem por ano no mundo por causa de doenças transmitidas por alimentos insalubres, segundo o primeiro estudo sobre o tema elaborado pela OMS (Organização Mundial da Saúde). O relatório é o resultado de oito anos de trabalho de mais de 150 cientistas que tentaram determinar a repercussão da ingestão de alimentos estragados na morbidade e mortalidade da população. Dos mais de 200 agentes que podem provocar intoxicações alimentares, a OMS só conseguiu estudar em profundidade os efeitos de 31 elementos – entre eles bactérias, vírus, parasitas, toxinas e químicos.

Intoxicação alimentar. 

Os resultados revelaram que todo ano 600 milhões de pessoas sofrem uma intoxicação alimentar, o que representa quase uma em cada dez pessoas no mundo. Dessas, 420 mil morrem, incluindo 125 mil menores de 5 anos, apesar de que este grupo de idade só representa 9% da população mundial. As crianças menores de 5 anos são especialmente sensíveis às doenças diarreicas, muito ligadas à intoxicação alimentar. As doenças diarreicas são causadas basicamente por norovírus, campilobactérias, salmonela entérica não tifoides e Escherichia coli. Uma contaminação alimentar pode causar sintomas a curto prazo, mas também gerar doenças graves a longo prazo, como câncer, falhas renais, doenças hepáticas e desordens neuronais.

Risco das doenças.

As crianças que sobrevivem às formas mais graves de intoxicação alimentar podem sofrer atraso em seu desenvolvimento físico e mental. Estas doenças graves afetam especialmente não somente as crianças, mas mulheres grávidas, idosos e pessoas com sistemas imunológicos frágeis.

O risco das doenças relacionadas com a comida insalubre é muito maior em países em desenvolvimento, dado que seu surgimento está ligado à preparação de alimentos com água contaminada, com a falta de higiene e com as condições inadequadas de armazenamento.
As duas regiões mais afetadas são África – com 91 milhões de doentes e 137 mil mortos por ano – e o Sudeste Asiático – com 150 milhões de casos e 175 mil mortes. Na região das Américas, 77 milhões de pessoas adoecem anualmente por causa de uma intoxicação alimentar, das quais se estima que 9 mil morram. Dos que adoecem na região das Américas, 31 milhões são crianças menores de 5 anos, das quais duas mil morrem. O principal causador destas doenças e mortes é a diarreia.

Um dos principais focos de contaminação é a chamada aflatoxina, que aparece em comida infectada com mofo e que é ingerida por pessoas que contam com uma única fonte de alimento. É por isso que especialistas defendem o fomento da relação entre saúde e agricultura para conseguir obter segurança alimentar dupla, ou seja, acesso a alimentos, mas que estes sejam seguros para serem ingeridos.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Bem-Estar

Tire suas dúvidas sobre a transmissão, a prevenção e o tratamento do zika vírus
Família faz campanha para trazer de volta ao Brasil avô que entrou em coma após o casamento do neto no exterior
Deixe seu comentário
Pode te interessar