Quinta-feira, 27 de janeiro de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
23°
Mostly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Mundo Congresso do Peru rejeita impeachment de Pedro Castillo

Compartilhe esta notícia:

Presidente peruano venceu as eleições em junho. (Foto: Reprodução)

O Congresso do Peru, controlado pela oposição de direita, rejeitou o impeachment do presidente de esquerda Pedro Castillo. A moção de vacância presidencial não foi admitida, declarou a chefe do Congresso, María del Carmen Alva, depois que o pedido de impeachment Castillo obteve apenas 46 votos no plenário (eram necessários 52 para aprová-lo), 76 contra e quatro abstenções.

Esta foi a quinta moção de julgamento político contra um presidente peruano nos últimos quatro anos e lembra pedido similares que levaram à queda dos presidentes Pedro Pablo Kuczynski, em 2018, e Martín Vizcarra, em 2020.

“O Peru não quer viver mais em crise, o Congresso reagiu de acordo com a realidade terrível que vivem os peruanos, que querem estabilidade e soluções para os problemas que enfrentam”, disse o analista político Hugo Otero, ex-assessor do falecido presidente Alan García.

“Trégua”

Castillo, um professor rural de 52 anos que assumiu o poder há apenas quatro meses, está sob suspeita por um escândalo de suposta ingerência do governo nas promoções militares, o que deu margem ao pedido de impeachment. Por este caso, também foi convocado a depor em 14 de dezembro perante a procuradora nacional, Zoraida Ávalos.

“A única coisa que Pedro Castillo fez foi dinamitar os pilares de nosso Estado”, afirmou a deputada opositora Patricia Chirinos ao apresentar os fundamentos do pedido de impeachment, que não prosperou.

O Congresso votou após um debate áspero de quase duas horas, no qual o opositor moderado José Alberto Arriola, do Ação Popular (centro-direita), pediu aos colegas uma “trégua” para que Castillo pudesse governar.

“A democracia é isso, respeitar os resultados. Desta vez, não chegamos aos votos necessários, seguiremos trabalhando pela governabilidade do país”, declarou o deputado de direita e almirante da reserva Jorge Montoya, um dos promotores da moção de vacância.

A moção foi apresentada há duas semanas por três partidos de direita, incluindo o da ex-candidata presidencial Keiko Fujimori.

Durante a sessão no plenário, o edifício do Parlamento esteve sob forte proteção policial. Do lado de fora, diversos apoiadores e opositores de Castillo se manifestaram.

Assédio e erros

A possível saída de Castillo era mencionada desde sua eleição em junho, denunciada por partidos opositores como uma “fraude”, apesar do aval dos observadores da OEA e da União Europeia.

O presidente convocou nos últimos dias um diálogo com os dirigentes da oposição na tentativa de se salvar do que qualificou como uma moção “sem respaldo e com absoluta irresponsabilidade”. No entanto, Keiko Fujimori e outros líderes da direita se recusaram a falar com ele, embora outros opositores atenderam ao chamado.

O professor rural de 52 anos venceu Fujimori no segundo turno da eleição presidencial em junho. Desde que assumiu o cargo, em 28 de julho, tem sido perseguido pela oposição por seus próprios erros e por divergências em seu partido que causaram a saída de dez ministros.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Cientistas descobrem uma versão da variante ômicron mais difícil de detectar
Mais de 73 mil brasileiros renovaram vistos para morar em Portugal
Deixe seu comentário
Pode te interessar