Quarta-feira, 28 de julho de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
Mostly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Economia Fabricantes europeias de veículos comemoram o acordo entre a União Europeia e o Mercosul

Compartilhe esta notícia:

A esperança dos dirigentes do setor é que o segundo semestre traga um clima econômico mais favorável do que o primeiro. (Foto: Divulgação/Acea)

A Acea (Associação dos Fabricantes Europeus de Automóveis) comemorou, nesta segunda-feira (1º), a conclusão das negociações de um acordo comercial entre a União Europeia e os países do Mercosul na última sexta-feira. As informações são do portal G1.

“Há um potencial real de crescimento na indústria automotiva da UE, levando em conta o tamanho do mercado do Mercosul, tanto em termos de população quanto de PIB”, declarou o secretário-geral da Acea, Erik Jonnaert, segundo um comunicado.

Fabricantes europeus podem, segundo a Acea, “aproveitar a redução de tarifas” nos países do Mercosul, que atualmente chegam a 35% para os automóveis no Brasil.

A União Europeia exportou, em 2018, 73 mil veículos para a região, ou seja, 2,2% do mercado.

No total, 234 mil carros foram importados pelo Mercosul de outros países, o que representa cerca de 8% do mercado.

Cerca de 3,3 milhões de novos veículos foram vendidos no ano passado nos quatro países do Mercosul.

Outros setores

Para chegar a um acordo com a UE, o Mercosul concordou em abrir suas portas à indústria europeia, principalmente a seus carros, mas também aos produtos químicos e farmacêuticos.

No entanto, a UE fez grandes concessões no setor agrícola, uma vez que fornecerá acesso a seu mercado a quatro países que estão ansiosos para vender açúcar, etanol, aves e carne bovina.

Essas concessões fizeram os agricultores europeus reagirem, denunciando a concorrência desleal.

O acordo é igualmente criticado por ambientalistas e ONGs por causa de suas consequências consideradas negativas para o meio ambiente.

Antes de entrar em vigor, o acordo deve ser validado pelos Estados, tanto na Europa como na América do Sul, o que pode levar tempo.

Mercosul vai zerar tarifa de importação  

Os países do Mercosul vão zerar o imposto de importação para carros fabricados na União Europeia num prazo de 15 anos, a partir do início de validade do acordo comercial anunciado na última sexta-feira (28) pelos blocos.

O texto com esses detalhes, divulgado nesta segunda (1º), não cita reciprocidade nessa medida — ou seja, carros fabricados no Brasil não teriam a mesma vantagem para serem vendidos na Europa.

O pacto ainda não tem data para entrar em vigor: ainda precisa ter um texto final e ser aprovado pelos congressos dos países envolvidos.

Passo a passo da redução

Hoje, carros importados de países que não têm acordo comercial com o Brasil pagam imposto de importação de 35% (casos dos europeus e dos asiáticos, por exemplo).

Primeiro, haverá cota: quando o acordo com a União Europeia começar a valer, a alíquota de 35% será reduzida à metade para um montante anual de 50 mil carros. Essa quantia vale para todo o bloco sul-americano, por 7 anos. O Brasil poderá importar 32 mil carros ao ano com desconto.

Depois, a abrangência será total: depois desses 7 anos, a alíquota passará a cair para todas os carros importados da UE, gradualmente, até ser eliminada.

Montadoras pediram ‘carência’
Segundo o secretário especial de comércio exterior e assuntos internacionais do Ministério da Economia, Marcos Troyjo, esse período de 7 anos de “carência”, até o livre comércio de carros entre Mercosul e União Europeia foi um pedido das montadoras.

Para Troyjo, não haverá prejuízo para a indústria nacional. “É uma liberalização controlada. Você impede uma explosão, mas ao mesmo tempo você mantém uma tarifa bem acima da média”, disse, nesta segunda.

15% dos importados vêm da UE

Atualmente, todos os carros vindos de países sem acordo comercial com o Brasil pagam os 35% de imposto de importação – o que é o caso dos europeus até o momento.

Em 2018, o Brasil comprou US$ 661 milhões em veículos da UE. Isso equivale a 15,6% dos US$ 4,19 bilhões em automóveis importados pelo país ao longo do último ano. Os números são do Ministério da Economia.

A Alemanha foi quem mais exportou veículos para o Brasil no ano passado, em termos de valores: US$ 253 milhões, ou pouco mais de 5% do total comercializado. Em seguida, aparecem Reino Unido (US$ 131 milhões), França (US$ 86,4 milhões) e Suécia (US$ 48,9 milhões).

Os valores não significam, necessariamente, que estes países forneceram mais unidades para o Brasil. O levantamento realiza divisões considerando valor e peso dos produtos importados.

Isso quer dizer que um país pode enviar uma quantidade menor de veículos, mas com custo unitário maior. É o caso da Itália, por exemplo. De lá, chegam veículos de milhões de reais, caso das Ferrari, Lamborghini e Maserati.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Bolsonaro aguarda conclusão de investigação sobre assessor do MTur
Entenda o que pode estar deixando sua conexão wi-fi mais lenta
Deixe seu comentário
Pode te interessar