Quinta-feira, 26 de maio de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Light Rain

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Brasil Ipea: trabalho remoto cai em outubro pelo segundo mês consecutivo

Compartilhe esta notícia:

No mês, 9,6% dos trabalhadores ocupados trabalharam de casa.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
No mês, 9,6% dos trabalhadores ocupados trabalharam de casa. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O estudo “O trabalho remoto e a pandemia: a manutenção do status quo de desigualdade de renda no País”, divulgado nesta quinta-feira (17) pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), mostra que o trabalho remoto englobou, em outubro deste ano, um total de 7,6 milhões de pessoas, o que correspondeu a 9,6% das 79,4 milhões de pessoas ocupadas no Brasil e não afastadas. Foi o segundo mês consecutivo de redução no percentual de brasileiros trabalhando de forma remota, sinalizou o levantamento. Isso quer dizer que foram 477 mil pessoas a menos do que o estimado em setembro. De acordo com o Ipea, essa é a primeira vez, desde o início da pandemia do novo coronavírus, que esse número é inferior a 8 milhões.

As estimativas do estudo do Ipea foram calculadas com base na Pnad Covid-19, divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A Pnad Covid-19 objetiva estabelecer o número de pessoas com sintomas referidos associados à síndrome gripal e monitorar os impactos da pandemia no mercado de trabalho brasileiro.

Remuneração

Segundo o Ipea, a remuneração dos trabalhadores que trabalham de casa alcançou R$ 33,6 bilhões no mês de outubro, o que corresponde a 18,5% da massa total de rendimentos efetivamente recebida por todas as pessoas ocupadas no País, da ordem de R$ 181,5 bilhões. No mês de setembro, 10,7% das pessoas ocupadas e não afastadas trabalharam de forma remota, sendo responsáveis por 20% da massa de rendimentos.

O Ipea verificou também a questão da desigualdade de rendimentos do trabalho remoto per capita, isto é, por indivíduo, no País. Não houve aumento significativo da desigualdade como resultado do trabalho remoto. Segundo o pesquisador Geraldo Góes, um dos autores do estudo, independente da pandemia do novo coronavírus, a desigualdade de renda permanece elevada no Brasil e o percentual da massa de rendimentos gerada pelas pessoas em trabalho remoto continua sendo praticamente o dobro do percentual de pessoas ocupadas que estão em home office.

Em relação ao mês anterior, o perfil de quem está trabalhando em casa permaneceu estável. Em outubro, observou-se que as mulheres constituíam a maioria das pessoas em trabalho remoto (56,9%), da cor branca (65%), com nível superior completo (76%) e idade entre 30 e 39 anos (32%). Predominou, em outubro também, o setor formal no teletrabalho (84,1%), que equivale a 6,4 milhões de pessoas, enquanto os restantes 15,9% dos trabalhadores estavam na informalidade (1,2 milhão de pessoas). Na desagregação por atividade, o Ipea constatou que 44,3% das pessoas em home office estavam em atividades de serviços, 38,4% no setor público, 7% na indústria e 4,9% no comércio. A maior concentração de pessoas trabalhando remotamente continuou no Sudeste brasileiro (58,4%).

Estados

Por unidade federativa, a pesquisa aponta que o Distrito Federal seguiu liderando o ranking, com 32,98% da massa de rendimentos efetivamente recebida por trabalhadores em home office, seguido pelo Rio de Janeiro (29,14%) e São Paulo ( 24,15%). O Mato Grosso foi o estado com o menor percentual (6,78%).

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Papais Noeis desceram de rapel na festa natalina de um hospital infantil em Porto Alegre
Em reta final de mandato, Marchezan recebeu uma homenagem da PUCRS
Deixe seu comentário
Pode te interessar