Quinta-feira, 30 de maio de 2024

Porto Alegre

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Carlos Roberto Schwartsmann Laçador, Caramelo e o dilúvio

Compartilhe esta notícia:

Esta coluna reflete a opinião de quem a assina e não do Jornal O Sul. O Jornal O Sul adota os princípios editorias de pluralismo, apartidarismo, jornalismo crítico e independência.

Três imagens bem representativas da tragédia, que abalou o Rio Grande do Sul, percorreram todo mundo.

São elas: A estátua do Laçador, ilhada, na frente do aeroporto. A segunda é a do cavalo caramelo em pé no telhado de uma casa submersa. E a Terceira imagem é a do Dilúvio.

O Laçador foi definido, por lei municipal, como o símbolo da cidade de Porto Alegre em 1992. A estátua do Laçador, esculpida por Antônio Caringi, representa o autêntico gaúcho: Homem do campo e criador de gado. Oriundo principalmente da miscigenação dos índios, dos portugueses e espanhóis. São características: a prudência, a temperança e a cultura das tradições. Na foto, no meio da enchente, esta pilchado como sempre: bombacha, bota, camisa, lenço e guaiaca.

Os pingos da chuva na sua face nos deixam em dúvida: são pingos ou lágrimas?

O cavalo caramelo ficou 4 dias parado, estático com os pés sobre o telhado. Personaliza a resistência, ficou sem beber e sem comer! É o animal símbolo da amizade do gaúcho. Nobre aliado e companheiro.

Esta conosco no frio, no calor, no solo árido ou molhado! Já nos ajudou a transportar nossa carga e desbravar coxilhas. Parceiro de guerra. No seu lombo suado já salgamos a carne para o churrasco.

Enfim o dilúvio. É um mito universal descrito na tradição de muitas civilizações. Diz a Bíblia que seria um castigo divino contra a maldade, a violência e a imoralidade. Seria a punição da humanidade!

Para arca de Noé foram selecionados exemplares de todos tipos de animais.

Talvez o dilúvio esteja se repetindo entre nós, pois já salvamos com diversos tipos de “arcas” (barcos, botes, jet ski…) milhares de animais (passarinhos, papagaios, gatos, cachorros, cavalos, vacas, etc).

Enfim, todos estes rastros de destruição nunca desafiou tanto a nossa garra e a nossa perseverança. Provavelmente foi isto que fez germinar entre nós esta gigantesca flor de solidariedade.

O Laçador no alto será mais do que o nosso símbolo. O caramelo voltará a correr nas planícies. O dilúvio desaparecerá. A nossa união irá reconstruir tudo e muito mais!

Salve a nossa pujança!

(Carlos Roberto Schwartsmann – Médico e Professor universitário)

Esta coluna reflete a opinião de quem a assina e não do Jornal O Sul.
O Jornal O Sul adota os princípios editorias de pluralismo, apartidarismo, jornalismo crítico e independência.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Carlos Roberto Schwartsmann

Lembranças que ficaram (22)
Quem cuida dos cuidadores?
https://www.osul.com.br/lacador-caramelo-e-o-diluvio/ Laçador, Caramelo e o dilúvio 2024-05-15
Deixe seu comentário
Pode te interessar

Carlos Roberto Schwartsmann Sofrimento

Carlos Roberto Schwartsmann Acorda Brasil: desesperança e insegurança

Carlos Roberto Schwartsmann Médicos Hyposkilliacos