Quarta-feira, 08 de dezembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
24°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Acontece Livro “Moacyr Scliar: medicina, saúde pública e história” é lançado em Porto Alegre

Compartilhe esta notícia:

O evento ocorreu nesta terça-feira (23).(Foto: Divulgação)

O livro “Moacyr Scliar: medicina, saúde pública e história”, de Germano Mostardeiro Bonow, foi lançado nesta terça-feira (23) no Centro Histórico-Cultural Santa Casa. O evento contou com a participação da senhora Judith Scliar e do ex-governador Jair Soares.

O autor da obra, Germano Bonow, recria aspectos da infância e mocidade de Moacyr Scliar, detendo-se na sua formação médica, nas atividades de sanitarista e de escritor humanista. O escritor apresenta o jovem médico nas unidades da Secretaria da Saúde do RS ao lado das equipes responsáveis pela formulação e execução da política regional da saúde pública, cujos efeitos positivos acabaram sendo expostos para programas nacionais.

A senhora Judith Scliar, companheira de Moacyr durante 47 anos, afirma no livro que é impossível falar sobre o seu companheiro sem se emocionar. “Nossa relação era feita de parceria e cumplicidade, inclusive nas questões de trabalho. Acompanhei de perto sua evolução como médico e escritor. Na condição de primeira leitora dos seus livros, testemunhei momentos de intensa criação e profusão de ideias”, contou Judith.

Germano Bonow levou cinco anos para construir “Moacyr Scliar: medicina, saúde pública e história”. Segundo a companheira de Scliar, o livro é resultado de muita pesquisa, trabalho, entrevistas, coleta de depoimentos,“mas o principal aspecto é a paixão com que o Bonow escreveu esse livro. Resultado de uma amizade e companheirismo de trabalho”, destacou.

Judith contou, ainda, como Moacyr conciliava a literatura, a escrita de crônicas para a imprensa e a medicina, práticas distintas, mas complementares. “Ele começou aos seis anos com uma autobiografia em um pedaço de papel de pão. Ele vinha de uma família com background cultural muito intenso. A avó paterna Ana Scliar veio da Rússia com nove filhos para o Brasil, não falava português, não tinha quase dinheiro, mal alfabetizada, criou uma loja de roupas na Voluntário da Pátria e criou os nove filhos aqui, todos estudaram. E na geração seguinte, já vários intelectuais”.

Já na vida médica, Moacyr apresentava dois sintomas. “Sempre teve um fascínio e um certo pavor pela área médica. Pavor porque, quando alguém da família ficava doente, ele entrava em pânico sobre qual atitude tomar. E, de repente, aparecia o médico que, para ele, criança naquela época, era uma figura mágica que levava a cura ao paciente e isso sempre o fascinou muito“, relatou.“Eu não conseguiria imaginar o Moacyr sem ser médico e escritor. Ele costumava dizer que a literatura é um mergulho na condição humana, assim como a medicina também é um mergulho na condição humana. Ele exerceu ambas atividades com imensa paixão”, completou Judith.

Na sequência, o ex-governador e doutor Jair Soares falou sobre os 16 anos em que acompanhou Moacyr na saúde pública. Já Bonow, escritor da obra, agradeceu a chance de construir o livro. “Agradeço a oportunidade que estamos tendo de reviver o que o Scliar fez através desse livro que eu tentei, eu não escrevi, eu construí usando os dados e informações que tive”, finalizou Bonow.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Acontece

Memorial da Imigração Judaico-Alemã é inaugurado em Porto Alegre
Descarte adequado de resíduos impulsiona a cadeia da reciclagem
Deixe seu comentário
Pode te interessar