Sexta-feira, 23 de julho de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Política Médica Nise Yamaguchi diz que sofreu “desrespeito” e “humilhação” na CPI da Covid e processa senadores

Compartilhe esta notícia:

Médica move ação de reparação de danos morais contra o presidente da comissão, senador Omar Aziz e contra o senador Otto Alencar

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
Médica move ação de reparação de danos morais contra o presidente da comissão, senador Omar Aziz e contra o senador Otto Alencar. (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

A médica Nise Yamaguchi divulgou neste domingo (20) uma carta aberta em que afirma ter sofrido “desrespeito” e “humilhação” durante seu depoimento à CPI da Covid. Nesta sexta-feira (18) a médica ingressou com uma ação judicial de reparação de danos morais contra os senadores Omar Aziz (PSD-AM) e Otto Alencar (PSD-BA).

Nise participou como convidada de uma audiência da CPI da Covid no dia 1º de junho. A oncologista é defensora de medicamentos comprovadamente ineficazes contra a Covid-19. A CPI suspeita que ela seja integrante de um possível “gabinete paralelo” de assessoramento ao presidente Jair Bolsonaro na pandemia. A comissão é presidida por Omar Aziz e tem, entre os integrantes titulares, Otto Alencar.

“São notórios e de conhecimento nacional o desrespeito e a humilhação por mim sofridos durante o depoimento prestado à CPI da pandemia no Senado Federal no dia 1º de junho de 2021”, afirmou Nise na carta.

A médica disse ainda no documento que teve “falas e raciocínios interrompidos” durante seu depoimento e que lhe foram atribuídas palavras que ela nunca pronunciou.

“Por diversas vezes, tive minhas falas e raciocínios interrompidos. Ignoraram meus argumentos e atribuíram a mim palavras que não pronunciei. Não foi por falta de conhecimento que deixei de reagir, mas, sim, por educação. Não iria alterar a minha essência para atender a nítidos interesses políticos”, afirmou a médica.

Na sexta-feira (18), o relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL) divulgou uma lista com 14 pessoas que passaram à condição de investigadas pela comissão. Nise Yamaguchi está entre os nomes citados pelo senador.

A médica disse ter sido alvo de comportamentos “misóginos” no colegiado e afirmou que passou a ser agredida nas redes sociais a partir da sua participação na CPI. “É triste perceber que, na Casa do Povo Brasileiro, mesmo após décadas de evolução, ainda se perpetuem comportamentos misóginos”, afirmou a médica.

“Na qualidade de mulher e de idosa, optei por entrar com uma ação judicial contra os senadores Omar Aziz e Otto Alencar, como uma medida para restaurar minha integridade e a de diversos outros médicos brasileiros, os quais também foram afetados com os discursos proferidos pelos parlamentares naquele dia”, afirmou a médica em outro trecho.

Em seu pedido à justiça, os advogados da médica argumentam que os senadores abusaram de seu direito à imunidade parlamentar e “perpetraram um verdadeiro massacre moral”. O documento diz ainda que os parlamentares “agiram intencionalmente com morbo e com deliberada crueldade no escopo de destruir a imagem”.

A médica pede que o senador Omar Aziz e a o senador Otto Alencar sejam condenados a pagar R$ 160 mil, cada um, a título de danos morais.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Defesa Civil é mobilizada para averiguar falha em estrutura de prédio comercial em Porto Alegre
Prefeitura de Porto Alegre e governo do RS debatem acordo para solucionar impasse de famílias acampadas no Centro da Capital
Deixe seu comentário
Pode te interessar