Sexta-feira, 03 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
Fair

Política Ministério Público conclui que Adélio Bispo agiu sozinho no ataque a Bolsonaro e pede arquivamento de inquérito

Compartilhe esta notícia:

Adélio deu uma facada em Bolsonaro em Juiz de Fora (MG)

Foto: Divulgação
Adélio deu uma facada em Bolsonaro em Juiz de Fora (MG). (Foto: Divulgação)

O MPF (Ministério Público Federal) concluiu que Adélio Bispo de Oliveira agiu sozinho no ataque contra o então candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro. Diante disso, o órgão se manifestou, nesta quinta-feira (04), pelo arquivamento provisório do segundo inquérito que apura a facada durante a campanha eleitoral de 2018.

A decisão de arquivamento ocorre após a conclusão do relatório parcial da Polícia Federal em maio, quando o segundo inquérito apontou que Adélio “agiu sozinho, por iniciativa própria e sem ajuda de terceiros, tendo sido responsável tanto pelo planejamento da ação criminosa quanto por sua execução”.

O procurador da República Marcelo Medina, responsável pelo caso, enviou a manifestação ao juiz da 3ª Vara Federal de Juiz de Fora (MG), Bruno de Souza Savino, que vai decidir se o caso será arquivado ou não. O pedido de arquivamento é provisório, já que ainda há uma diligência pendente que depende do STF (Supremo Tribunal Federal).

A Justiça Federal informou que “os autos do inquérito com a manifestação do MPF pelo arquivamento foram conclusos ao Dr. Bruno Savino” e que “o juiz pode acolher o pedido de arquivamento ou rejeitá-lo. Ocorrendo essa última hipótese, a lei determina a remessa do inquérito ao procurador-geral de Justiça, a quem cabe deliberar a respeito”.

Após analisar a investigação da Polícia Federal, o parecer do MPF concluiu que Adélio concebeu, planejou e executou sozinho o atentado. Segundo o inquérito da PF, Adélio já estava em Juiz de Fora quando o ato de campanha foi programado e, portanto, não se deslocou até a cidade com o objetivo de cometer o crime.

Conforme a investigação, ele não mantinha relações pessoais com nenhuma pessoa em Juiz de Fora, tampouco estabeleceu contatos que pudessem ter exercido influência sobre o atentado. Além disso, ele não efetuou ou recebeu ligações telefônicas ou troca de mensagens por meio eletrônico com possível interessado no atentado ou relacionadas ao crime.

No entender do MPF, o inquérito também deixou claro que, nas contas bancárias de Adélio e de seus familiares investigados, não houve nenhuma movimentação financeira incompatível com suas atividades trabalhistas ou com os respectivos padrões de vida.

Além disso, não foram recebidos valores atípicos ou de origens desconhecidas. O procurador aponta que não há respaldo à hipótese de que o atentado pudesse ter sido praticado mediante pagamento.

Adélio cumpre medida de segurança de internação por prazo indeterminado no Presídio Federal de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Governo gaúcho lança a Campanha do Agasalho 2020 com foco em roupas infantis e cobertores
Hospitais filantrópicos gaúchos recebem novo repasse emergencial de R$ 175 milhões
Deixe seu comentário
Pode te interessar