Domingo, 14 de agosto de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Mist

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Mundo Míssil russo atinge shopping na Ucrânia. Foram registradas pelo menos 16 mortes e mais de 59 feridos

Compartilhe esta notícia:

Shopping na cidade ucraniana de Kremenchuk foi atingido por míssil russo.

Foto: Reprodução/Twitter
Shopping na cidade ucraniana de Kremenchuk foi atingido por míssil russo. (Foto: Reprodução/Twitter)

Dois mísseis russos atingiram um shopping center lotado na cidade de Kremenchuk, região central da Ucrânia, nesta segunda-feira, matando pelo menos 16 pessoas e ferindo outras 59, segundo o serviço de emergências ucraniano.

O presidente Volodymyr Zelensky, que credita o ataque à Rússia, disse que havia “mais de mil pessoas” no local no momento do impacto e que é “impossível imaginar” o número de vítimas.

De acordo com Dmytro Lunin, governador da região de Poltava, onde fica Kremenchuk, há quase 60 feridos após o ataque aéreo, ao menos nove deles gravemente. Imagens mostravam o centro comercial pegando fogo, com grandes colunas de fumaça e caminhões dos bombeiros.

As operações de resgate, afirmou no Telegram Kyrylo Tymochenko, chefe-adjunto do Gabinete presidencial do país, continuam no shopping, que ocupa um espaço aproximado de 10 mil metros quadrados. Segundo um repórter da agência Reuters, bombeiros e soldados reviram os escombros atrás de sobreviventes.

Em uma mensagem postada no Facebook, Zelensky disse que o prédio “não representava nenhum risco para o Exército russo. Nenhum valor estratégico. Apenas a tentativa do povo viver uma vida normal”:

“Os ocupantes dispararam um míssil contra um shopping onde havia mais de mil civis. O shopping está em chamas e as equipes de resgate combatem o fogo. O número de vítimas é impossível de imaginar”, postou o presidente, junto com um vídeo. “É inútil esperar decência e humanidade da Rússia.

Segundo Lunin, trata-se de um “crime de guerra” e um “crime contra a Humanidade”, bem como um “ato de terror (…) cínico contra a população civil”. Segundo ele, não há expectativa de que muitos sobreviventes sejam encontrados, já que houve “um grande incêndio com muita fumaça”.

Em um tuíte, o secretário de Estado americano, Antony Blinken, disse que o “mundo está horrorizado com o ataque de míssil” russo, “a mais recente em uma série de atrocidades”:

“Vamos continuar a apoiar nossos parceiros ucranianos e responsabilizar a Rússia, incluindo os responsáveis pelas atrocidades”, afirmou o chefe da diplomacia de Washington.

O Kremlin ainda não fez comentários sobre o ataque, mas nega mirar civis em suas “operação militar especial” – nome pelo qual chama a operação militar que completou quatro meses na última sexta. Vadym Denysenko, conselheiro do Ministério do Interior, disse à Reuters que o Kremlin pode ter tido três motivos para o ataque:

“O primeiro, indubitavelmente, é disseminar pânico. O segundo é destruir infraestrutura”, afirmou. “O terceiro é aumentar o que está em jogo para forçar o Ocidente civilizado a se sentar novamente à mesa para conversas”.

Kremenchuk é uma importante cidade industrial no centro do país, na região de Poltava, às margens do rio Dnipro, onde há um grande porto fluvial. É também lar da maior refinaria de petróleo do país, a Ukrtatnafta. Antes da invasão russa começar, em 24 de fevereiro, tinha cerca de 217 mil habitantes.

Ocupada pelos nazistas por mais de dois anos durante a Segunda Guerra Mundial, teve mais de 90% de seus prédios destruídos. Durante a Guerra Fria, abrigou forças estratégicas do Exército e mísseis balísticos intercontinentais.

Ofensiva no Leste

O ataque ao shopping vem um dia após ao menos 14 mísseis russos atingiram Kiev na madrugada de domingo (26). Um complexo de apartamentos foi atingido no bairro de Shevchenkivskyi, perto do centro da cidade, deixando ao menos um morto e seis feridos.

No sábado, após semanas de duros combates, Severodonetsk foi “totalmente ocupada” pelo Exército russo. A conquista da cidade estratégica, na bacia do Donbas, no Leste do país, abre caminho para que o Kremlin amplie seu domínio na região, que compreende os territórios de Donetsk e Luhansk.

É uma das vitórias mais cruciais para o presidente Vladimir Putin desde que a invasão começou, há quatro meses. Seu papel é ainda maior desde que o Kremlin fez uma correção de rota, no fim de março: abandonou as grandes e frustradas ofensivas ao redor de Kiev, concentrando-se no Leste.

Em Luhansk, a única cidade que ainda não está sob comando russo é Lysychansk. De acordo com o governo local, que faz um apelo para que os civis deixem a área, há bombardeios e ataques constantes no local.

Encontro do G7

O ataque ao prédio coincide também com o segundo e último dia do encontro do Grupo dos Sete (G7), grupo que reúne algumas das economias mais avançadas do mundo. Em uma participação convidada por videoconferência, Zelensky fez um apelo para que os mandatários “façam o máximo” para pôr um fim à invasão russa. Afirmou, porém, que “este não é o momento para negociações”.

As negociações estão paralisadas desde abril. Kiev, que inicialmente concordara em deixar a Península da Crimeia, anexada por Moscou em 2014, fora das negociações, e em dar autonomia às regiões onde atuam separatistas pró-Rússia em Donbass, mudou de posição depois de receber armamentos mais sofisticados do Ocidente.

O governo ucraniano crê que o plano do Kremlin é postergar o conflito até o inverno no Hemisfério Norte, que é bastante rigoroso na Ucrânia. Segundo Kiev, Moscou crê que o frio e a neve poderão facilitar novos ganhos territoriais. Além disso, as consequências na Europa da redução do envio de gás russo serão mais sentidas.

A reunião do G7 vem em meio a uma maratona de cúpulas internacionais em que Kiev estará no centro dos debates. No final da semana passada, os líderes da União Europeia se reuniram e confirmaram que os ucranianos tornaram-se candidatos à adesão ao bloco. Já entre os dias 28 e 30, os chefes dos países-membros da Otan se reunirão em Madri para discutir o maior reforço militar desde a Guerra Fria.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Governo gaúcho inaugura Núcleo de Gestão Estratégica do Sistema Prisional em Porto Alegre
Bolsonaro edita decreto que dá poderes para a Advocacia-Geral da União opinar se atos do governo ferem a legislação eleitoral
Deixe seu comentário
Pode te interessar