Domingo, 25 de julho de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
26°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Geral Mundo tem mais de dez conflitos por dia ligados à covid

Compartilhe esta notícia:

Pacifistas protestam na Suíça: crise econômica aumenta instabilidade e quantidade de manifestações violentas. (Foto: Campax/Twitter)

Em sua primeira análise sobre os impactos do coronavírus para a paz do mundo, o relatório do Índice Global da Paz (GPI, na sigla em inglês) deste ano mostrou que mais de 5 mil episódios de violência ligados à pandemia foram registrados entre janeiro de 2020 e abril de 2021 – uma média de 10,2 por dia.

A pesquisa – realizada pelo Instituto para a Economia e Paz (IEP, na sigla em inglês) – monitora e classifica o status da paz em 163 países e territórios, identificando onde os conflitos estão aumentando e diminuindo e os fatores que influenciam a mudança. A 15ª edição do GPI registrou uma deterioração da paz global de 0,07% com relação a 2019.

O cálculo é feito com base em três domínios: nível de proteção e segurança social, a extensão do conflito interno e internacional em andamento e o grau de militarização dos países.

Embora tenha havido uma calmaria inicial no início da pandemia, até em razão das medidas sanitárias restritivas, os distúrbios voltaram a crescer ao longo do ano. Segundo o diretor do IEP para Europa, Oriente Médio e Norte da África, Serge Stroobants, dos 50 mil episódios violentos registrados no ano passado, 5 mil estavam relacionados à pandemia. Ainda que não tenha sido a única causa, foi um dos principais fatores da agitação social no mundo.

“Na Europa, ficou claro que muitas demonstrações estavam ligadas às restrições das liberdades individuais e à vacinação, se seria ou não obrigatória, ou se estava ocorrendo rápido ou não”, disse Stroobants em entrevista ao Estadão.

O relatório destaca alguns casos, como na Holanda, onde o toque de recolher imposto pelo governo provocou os piores protestos no país em 40 anos. Espanha, Itália, Alemanha e Irlanda também registraram violentas manifestações antibloqueio.

Mas nem todos os protestos foram causados pelo lockdown. Em alguns países, a resposta negligente dos governos, segundo o GPI, tornou-se um gatilho para manifestações. “Em Belarus, a recusa do governo em reconhecer a gravidade da pandemia e o impacto no sistema de saúde impulsionaram a agitação civil”, aponta o relatório.

Da mesma forma, tumultos eclodiram no Chile, após um aumento na taxa de desemprego, e no Líbano, diante da falta de apoio econômico do governo. Por outro lado, segundo o IEP, a pandemia foi usada como pretexto para a repressão em alguns países. Na Rússia, vários dissidentes foram presos por violar medidas de saúde pública ligadas à covid-19.

Centenas de pessoas também foram processadas por espalhar informações falsas sobre a pandemia. “No Egito, equipes médicas foram detidas com base na lei de terrorismo por falar sobre a falta de equipamento de proteção individual e de exames de covid-19. Na Índia, a polícia prendeu um oncologista por postar fotos de equipes médicas usando capas de chuva por falta de equipamento de proteção individual.”

“A covid-19 colocou uma lupa em problemas que não foram solucionados nos últimos dez anos e multiplicou esses fatores. A crise econômica que surge com a pandemia deve acentuar isso”, avalia Stroobants.

O diretor do IEP explica que se trata de tendências já observadas antes da pandemia, pelo menos nos últimos dez anos, que se intensificaram com a situação extrema criada pela crise: pobreza, confinamento, ataques racistas, entre outros aspectos. De acordo com o relatório, pelo menos 158 países registraram um ou mais incidentes violentos com essa característica. “É um elemento-chave no nosso índice este ano.”

O cenário constatado este ano foi previsto pelo instituto, no relatório de 2020, divulgado há um ano, quando a pandemia havia causado 400 mil mortos em todo o mundo – cerca de um décimo das vítimas que provocaria 12 meses depois.

Segundo o relatório, o nível médio da paz global deteriorou-se – a nona vez em 13 anos que há uma queda do índice. No ranking de 163 países, a Islândia ocupa a primeira posição, desde 2008, seguida por Nova Zelândia, Dinamarca, Portugal e Eslovênia. Oito dos dez países melhores colocados no ranking ficam na Europa. Pelo quarto ano seguido, o Afeganistão aparece na última posição. À frente estão Iêmen, Síria, Sudão do Sul e Iraque.

O Brasil ocupa a 128ª posição no ranking, atrás de Chile (49º), Equador (88º) e Bolívia (105º), mas está à frente da Venezuela (152º). Não houve variação na posição do Brasil este ano. O País se destacou por ter apresentado o mais alto grau de “medo de violência”, com quase 83% da população afirmando temer ser vítima de um crime violento. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Geral

Em áudio com declarações racistas, mulher ataca vencedora de concurso de beleza em Minas Gerais
Justiça decide que se policiais viram plantação de maconha, invasão de imóvel é válida
Deixe seu comentário
Pode te interessar