Quarta-feira, 29 de maio de 2024

Porto Alegre
Porto Alegre, BR
18°
Partly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Carlos Alberto Chiarelli No hospital: a padiola

Compartilhe esta notícia:

Esta coluna reflete a opinião de quem a assina e não do Jornal O Sul. O Jornal O Sul adota os princípios editorias de pluralismo, apartidarismo, jornalismo crítico e independência.

Olhei para a imagem, confirmei com segurança que era religiosa.
Senti certa vergonha, pela minha fé inconstante. Chegou-me uma dúvida que me inquietou.

Talvez eu não tivesse crédito.

Crédito de fé, que nasce e se consolida na crença que não vacila.
Me apercebi que andara tão dominado, submetido mesmo, e desfrutando os poderes do ministério, do governo, que tanto eu pedia, que tanto deveria fazer pelos outros. Cada ajuda, cada exercício de poder que me envolvia acreditava na Justiça: estava fazendo pelos outros. Enfim, era ajuda quase sublime. A confirmação do poder que, de verdade, eu não tinha, mas que me convencera de estar em minhas mãos. Será que essa – agora tenho o desafio de pintá-la – é a vida que pedira a Deus?

Será que pedira mesmo?

Tu sabias que também, como todos, és frágil? Ou dúvidas?

E quem faz por ti?

Serás tão poderoso que não precisas pedir; ou talvez não saibas pedir?

Fiz um esforço. Levantei a cabeça e vi, mesmo com a imagem deformada, que ainda estava lá ou ali. Ali ou lá. Mas estava. Ocupava uma ponta do corredor. Todos, de mãos dadas. Senti um tranco e as rodas da padiola começaram a girar.

Tive a impressão que secavam, juntos, os olhos. Seguramente, pensavam que eu, tão perto e tão distante, não veria suas lágrimas. Tinham razão, seguindo um pensamento racional; mas, não sei bem como, as sentia.

E as sentia de verdade.

Foi então que a padiola fez toda sua curva. E agora não iria procurá-los porque sabia que não os encontraria mais. Passei a palma da mão nos olhos. Mais de uma vez. Molhados. Muito molhados. Eu estivera chorando. Ou melhor: estava chorando. Como eu era frágil: me escondera para chorar.

P.S. Inspirada numa crônica feita há 33 anos.

Carlos Alberto Chiarelli foi ministro da educação e ministro da integração internacional (e-mails para carolchiarelli@hotmail.com)

Esta coluna reflete a opinião de quem a assina e não do Jornal O Sul.
O Jornal O Sul adota os princípios editorias de pluralismo, apartidarismo, jornalismo crítico e independência.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Carlos Alberto Chiarelli

Lula cogitou fugir, antes de ser preso por corrupção
Custo Eleiçõe$
https://www.osul.com.br/no-hospital-a-padiola/ No hospital: a padiola 2024-03-27
Deixe seu comentário
Pode te interessar

Carlos Alberto Chiarelli Crônicas da água

Carlos Alberto Chiarelli Da água, do fogo, da natureza

Carlos Alberto Chiarelli A volta do prisioneiro