Sexta-feira, 07 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre

Brasil O Brasil tem quase 68 mil mortes e 1.713.160 casos confirmados de coronavírus

Compartilhe esta notícia:

Nas últimas 24 horas, foram adicionadas 1.223 mortes aos registros oficiais. (Foto: Reprodução)

De acordo com os dados mais recentes do Ministério da Saúde, divulgados nesta quarta-feira (8), o Brasil acumula 1.713.160 de casos confirmados e 67.964 mortes pelo novo coronavírus. O País atingiu a marca de um milhão de casos recuperados de Covid-19.

Nas últimas 24 horas, foram adicionadas 1.223 mortes aos registros oficiais. Há ainda 4.105 óbitos em investigação. O painel do órgão também trouxe 44.571 novos casos diagnosticados de terça (7) para esta quarta. Estão em acompanhamento no País 624.695 pacientes infectados pelo novo coronavírus.

Em entrevista coletiva realizada em Brasília, a equipe do Ministério da Saúde apresentou a evolução da pandemia no País, destacando uma estabilidade na curva do número de mortes e um aumento na curva dos casos confirmados.

Bolsonaro

Questionado sobre orientações para quem teve contato com o presidente Jair Bolsonaro, que testou positivo para Covid-19, o Ministério da Saúde afirmou que a recomendação em situações deste tipo é buscar atendimento médico.

“A nossa orientação é de que qualquer pessoa que tenha contato com caso confirmado, deve procurar uma unidade de saúde”, disse o secretário de Vigilância em Saúde,Arnaldo Correia.

“Se for o caso, (o médico) vai prescrever medida de distanciamento, medidas terapêuticas, farmacológicas ou não, e com pleno consentimento do paciente”, completou o secretário.

Para o infectologista Julio Croda, ex-diretor do Departamento de Imunizações e Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde e pesquisador da Fiocruz, quem teve contato com Bolsonaro até dois dias antes de ele começar a apresentar sintomas deve isolar-se por ao menos uma semana.

O Palácio do Planalto, no entanto, não recomenda quarentena de pessoas que tiveram “simples contato” com o presidente. Em nota, o governo afirma que não há protocolo sobre isolar pessoa que estiveram com doentes. “A orientação que damos aos servidores é procurar assistência médica quando apresentarem sintomas relacionados à Covid-19, para avaliar necessidade de testagem. Nos casos considerados suspeitos, os servidores são orientados a ficar em casa até o resultado do exame”, afirma o Planalto.

Na mesma nota, o governo informou que 108 dos 3.400 servidores do Palácio do Planalto testaram positivo para Covid-19 até 3 de julho. “Não houve mortes e mais de 90% desses casos foram assintomáticos ou apresentaram apenas sintomas leves.”

A Organização Mundial da Saúde (OMS), no entanto, afirma que é recomendável “ficar em casa” caso more com alguém infectado ou esteve a menos de um metro de um paciente com a doença. Imagens da agenda oficial de Bolsonaro mostram o presidente sem máscara em almoço na casa do embaixador dos Estados Unidos, no domingo (5), e durante encontro com representantes da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na sexta-feira (3).

A recomendação do Ministério da Saúde é menos rígida. Em documento de abril, a pasta recomenda isolamento de 14 dias de casos suspeitos ou confirmados. Os casos suspeitos, para o governo brasileiro, no entanto, são aqueles que tiveram contato próximo de um confirmado e, além disso, apresentam febre ou pelo menos um sintoma respiratório, como tosse ou dificuldade para respirar. No começo da pandemia, o ministério chegou a recomendar o isolamento para todas as pessoas que voltavam do exterior. A orientação foi derrubada, segundo fontes da pasta, por pressão do Palácio do Planalto para reduzir impactos sobre a economia e no funcionamento da máquina pública.

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

São Paulo tem o segundo maior número de internados na pandemia
Bolsonaro diz “estar muito bem” com o uso da cloroquina e reconhece que o isolamento “retardou o contágio”
Deixe seu comentário
Pode te interessar