Quinta-feira, 30 de junho de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

| O Instituto Butantan, em São Paulo, pesquisa uma nova vacina para o coronavírus

Compartilhe esta notícia:

Produto é inspirado em mecanismo usado por bactérias para ludibriar o sistema imunológico humano. (Foto: Reprodução)

Pesquisadores do Instituto Butantan trabalham em uma nova vacina para a Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus. De acordo com uma nota publicada pelo governo do Estado de São Paulo  nesta segunda-feira (4), a iniciativa visa produzir uma solução acelular, que estimula a resposta imune do organismo por meio da injeção de membranas orgânicas com proteínas da superfície do vírus.

A vacina é inspirada em um mecanismo observado em certas bactérias para ludibriar o sistema imunológico. Elas liberam vesículas que atraem a ação de anticorpos e outras células relacionadas a defesa do organismo. Essas membranas servem como iscas para ocupar o sistema imune enquanto a bactéria fica livre para se multiplicar.

Apesar de configurarem uma “distração”, as vesículas estimulam a memória imunológica do organismo. Os cientistas do Butantan pretendem produzir estruturas semelhantes em laboratório, mas com proteínas do novo coronavírus acopladas a elas. A expectativa é que a vacina possa induzir o corpo a criar mecanismos de defesa contra as atividades específicas dessas proteínas virais.

“A nova técnica permite que as formulações contenham uma grande quantidade de um ou mais antígenos do vírus em uma plataforma fortemente adjuvante, induzindo uma resposta imune mais pronunciada”, explica Luciana Cezar Cerqueira Leite, pesquisadora do Laboratório de Desenvolvimento de Vacinas do Instituto Butantan, à Agência Fapesp.

Na prática, as proteínas recombinantes do novo coronavírus são utilizadas para estimular a produção de anticorpos específicos para o antígeno, ao passo que as membrana externas (também conhecidas como OMVs) servem como suporte para “apresentar” as proteínas ao corpo, assim como para reforçar a reação imunológica.

“As vesículas de membrana externa podem modular a resposta imunológica, em geral, aumentando e melhorando a proteção. No nosso caso, usaremos as OMVs para uma apresentação do antígeno com forte poder adjuvante embutido, que garante uma resposta melhor”, pontua Cerqueira Leite.

Linha de pesquisa

O desenvolvimento da vacina é apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e integra uma plataforma de pesquisa que envolve o estudo de vacinas para coqueluche, pneumonia, tuberculose e esquistossomose a partir de técnicas associadas à vacina BCG – usada para prevenir formas graves de tuberculose em crianças e testada como um possível tratamento para a Covid-19 em outros países.

De acordo com a nota do Governo de São Paulo, diante da pandemia do novo coronavírus, foi criada uma nova linha de pesquisa exclusiva para a investigação de uma vacina contra a Covid-19.

Embora o comunicado não aponte previsões para a conclusão do estudo do Instituto Butantan, a pesquisadora Cerqueira Leite destaca que “no mundo todo, e aqui no Brasil também estão sendo testadas diferentes técnicas” e a abordagem do órgão deve “demorar mais para sair”. Ela ressalta, no entanto, a importância de desenvolver múltiplas técnicas simultaneamente.

“Esperamos que [as vacinas em desenvolvimento] funcionem, mas o fato é que ninguém sabe se vão realmente proteger. Neste momento de pandemia, não é demais tentar estratégias diferentes. A nossa abordagem vai demorar mais para sair, mas, se aquelas que estão sendo testadas não funcionarem, já temos os planos B, C ou D”, diz a pesquisadora.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de |

O novo diretor-geral da Polícia Federal decidiu trocar o chefe da corporação do Rio, foco de interesse da família Bolsonaro
Cancelado o retorno às aulas em Alvorada
Deixe seu comentário
Pode te interessar