Quarta-feira, 23 de Setembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
23°
Fair

Brasil O ministro interino da Saúde lamenta as mortes e volta a defender o “início imediato de tratamento” contra o coronavírus

Compartilhe esta notícia:

Em menos de seis meses, o Brasil atingiu a marca de 100 mil mortos por coronavírus. (Foto: Júlio Nascimento/PR)

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, lamentou as mortes pelo novo coronavírus e, no dia em que o País atingiu 100 mil óbitos por covid-19, voltou a defender o início imediato de tratamento, mesmo com a ausência de um medicamento com eficácia comprovada cientificamente.

Em menos de seis meses, o Brasil atingiu a marca de 100 mil mortos por coronavírus. Se o País fizesse 1 minuto de silêncio em homenagem a cada vítima, teria de passar 70 dias calado. “O Ministro da Saúde interino, Eduardo Pazuello, lamenta profundamente por cada vida perdida na pandemia da covid-19. Não se trata de números, planilhas ou estatísticas, mas de vidas perdidas que afetam famílias, amigos e atingem o entorno do convívio social”, diz nota da pasta distribuída à imprensa  sem mencionar o número de óbitos.

Na manifestação, o ministro voltou a defender o que classifica como “conduta precoce” no combate à covid-19, que na prática envolve a prescrição de medicamentos sem a eficácia comprovada cientificamente. “A ida ao médico, o diagnóstico precoce e o início imediato do tratamento, com a prescrição do medicamento mais adequado a cada caso, é o que pode sim fazer a diferença.”

Assim como fez o presidente Jair Bolsonaro, Pazuello deu destaque para o número de pacientes recuperados – “mais de dois milhões de brasileiros curados” – mas não fez menção direta aos dados de mortes no País. “O ministro agradece o empenho, dedicação e altruísmo dos profissionais de saúde que atuam na linha de frente do enfrentamento à covid-19 com o firme propósito de salvar vidas.”

Conforme o jornal Estadão antecipou, Pazuello cobrou da equipe técnica da pasta uma mudança na divulgação das informações sobre a doença. O ministro interino pediu que seus assessores separem as informações por regiões do País todas as “santas vezes” que falarem sobre os números da doença. A intenção de Pazuello é evitar que Estados e municípios com menos registros de casos novos tomem medidas drásticas considerando o cenário nacional.

Neste sábado (8) quando o País completou 84 dias sem ministro da saúde e atinge a marca de 100 mil mortes por covid-19, o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF) decretaram luto oficial em homenagem às vítimas que perderam a vida pela covid-19 no País. Veja a nota:

“O Ministro da Saúde interino, Eduardo Pazuello, lamenta profundamente por cada vida perdida na pandemia da Covid-19. Não se trata de números, planilhas ou estatísticas, mas de vidas perdidas que afetam famílias, amigos e atingem o entorno do convívio social. O Ministério da Saúde permanece trabalhando 24 horas por dia em parceria com estados e municípios para garantir que não faltem recursos, leitos, medicamentos e apoio às equipes de saúde.

Pazuello reitera que, a qualquer sinal ou sintoma da doença, as pessoas procurem imediatamente a Unidade Básica de Saúde mais próxima de sua casa. A ida ao médico, o diagnóstico precoce e o início imediato do tratamento, com a prescrição do medicamento mais adequado a cada caso, é o que pode sim fazer a diferença.

O ministro agradece o empenho, dedicação e altruísmo dos profissionais de saúde que atuam na linha de frente do enfrentamento à Covid-19 com o firme propósito de salvar vidas. O Brasil ocupa o primeiro lugar no mundo em número de pacientes recuperados, registrando mais de dois milhões de brasileiros curados.”

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

O número de mortos por coronavírus no País seria “infinitamente maior” se seguíssemos Bolsonaro, diz o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta
O coronavírus já matou mais brasileiros que a Guerra do Paraguai e a gripe espanhola
Deixe seu comentário
Pode te interessar