Quarta-feira, 23 de Setembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Fair

Brasil O coronavírus já matou mais brasileiros que a Guerra do Paraguai e a gripe espanhola

Compartilhe esta notícia:

Estudo indica que 20% dos infectados ainda contagiam após 30 dias. (Foto: Reprodução)

Cerca de cinco meses após os registros oficiais dos primeiros casos do coronavírus no Brasil, em março desde ano, o País atingiu a marca de 100 mil óbitos. O número é o dobro das vidas perdidas pela tropa brasileira na Guerra do Paraguai, segundo estimativas. Também é mais que o dobro do total de brasileiros que contraíram a gripe espanhola. Considerando todas as vítimas de acidentes aéreos do planeta nos últimos 60 anos, só no Brasil a Covid-19 matou três vezes mais.

Na Guerra do Paraguai, cerca de 50 mil integrantes da tropa brasileira morreram, de 1864 a 1870. De acordo com o IBGE, a estimativa da população em 1869 era de 10.415.000. Em 1872, no 1º censo realizado no Brasil, dois anos após o fim do conflito, a população era de 9.930.478. Já na Gripo Espanhola, foram cerca de 35 mil brasileiros, de 1918 a 1919. De acordo com o IBGE, em 1920, dois anos após o primeiro caso da doença no país, a população estimada era de 30.635.605.

Acidentes aéreos comerciais: 30.330 pessoas perderam a vida em todo o mundo, de 1959 a 2018.

Por causa da falta de registros oficiais, os dados históricos são estimativas de estudiosos. Para comparações com a população das referidas épocas, o portal G1 consultou as estatísticas do povoamento (evolução da população brasileira) do site do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Já para fazer o cálculo de acidentes aéreos, o portal consultou o relatório Statistical Summary of Commercial Jet Airplane Accidents (Resumo estatístico de acidentes com aviões comerciais a jato, em tradução livre), publicado pela Boeing em 2019.

Guerra do Paraguai

Considerado um dos maiores conflitos armados da América Latina, a Guerra do Paraguai matou combatentes das tropas brasileira, uruguaia e argentina (que formavam a Tríplice Aliança), além de ter dizimado a população masculina paraguaia no período em que durou, de 1864 a 1870. Historiadores consideram que até hoje o Paraguai não se recuperou plenamente das consequências do conflito.

No Brasil, a batalha teve como cenários os estados Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul. “Muitos pesquisadores apontam mais, mas se considerarmos apenas os mortos brasileiros 50 mil é um número próximo à realidade histórica”, diz Mauro César Silveira, historiador, jornalista e autor do livro “A Batalha de Papel, a charge como arma na guerra contra o Paraguai” (Edufsc). A tropa brasileira era formada, inclusive, por escravos trazidos da África e indígenas. “É mais difícil ainda estimar mortos do outro lado. Mas foram muito, muito mais. Morreram nos combates, de doenças como cólera, e de fome”, diz Silveira.

Não há estatísticas precisas sobre o total de habitantes do Paraguai na época, mas diferentes autores afirmam que a população total variava de 400 mil a 1,2 milhão de pessoas. O número de mortos muda conforme a estimativa sobre o total de habitantes. No livro “Genocídio Americano: a Guerra do Paraguai”, Julio José Chiavenatto aponta que o Paraguai tinha aproximadamente 800 mil habitantes no início da guerra e, após o confronto, restariam pouco mais de 2 mil homens acima de 20 anos. O restante da população seria formado por aproximadamente 9 mil meninos até 10 anos e cerca de 180 mil mulheres.

Gripe espanhola

Há 102 anos, o planeta viveu a maior pandemia do século 20 causada pela chamada gripe espanhola. O vírus da gripe espanhola era um subtipo de outro que hoje conhecemos bem, o Influenza A, também chamado de H1N1.

A falta de registros oficiais dificulta a contagem exata mas, segundo historiadores, o mundo perdeu 50 milhões de vidas nos anos de 1918 e 1919. No Brasil, a estimativa é que 35 mil pessoas tenham sido vítimas da gripe espanhola. Na época, o Rio de Janeiro, então capital do país, era a única cidade brasileira com mais de 1 milhão de habitantes. De acordo com o IBGE, em 1920, dois anos após o primeiro caso de gripe espanhola no País, a população estimada era de 30.635.605.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

O ministro interino da Saúde lamenta as mortes e volta a defender o “início imediato de tratamento” contra o coronavírus
Conheça os quatro avanços no tratamento do coronavírus que reduzem o risco de morte pela doença
Deixe seu comentário
Pode te interessar