Segunda-feira, 24 de junho de 2024

Porto Alegre

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui


Brasil A Operação Lava-Jato atingiu famosos fora do mundo político em 2017

Compartilhe esta notícia:

A Lava-Jato foi deflagrada pela PF há quase quatro anos. (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Após quase quatro anos de atuação, a Operação Lava-Jato atingiu, em 2017, personagens que não fazem parte diretamente do mundo político. Confira abaixo:

Ticiana Villas Boas

Mulher de Joesley Batista, a jornalista se afastou do SBT, onde apresentava reality shows de culinária, após o marido aquecer em fogo alto a República. A delação do sócio da JBS fez a carreira dela desandar e esfriou o casamento dos dois, já que nos áudios ele cometia indiscrições (virou meme o trecho em que relata a intenção de “comer duas veias”). Ticiana ressurgiu nas redes sociais em novembro, falando em “justiça divina” e em buscar “forças para voltar a viver e lutar”.

Patricia Abravanel

Filha de Silvio Santos e mulher do deputado federal Fábio Faria (PSD-RN), a apresentadora foi parar no baú da delação da JBS. Pelo relato de um executivo, Faria discutiu propina em “um jantar muito elegante” na casa de Joesley Batista com a presença da filha do dono do SBT. Os dois dizem que a afirmação é caluniosa e recorreram à Justiça. Ticiana Villas Boas, então colega de Patricia na emissora, defendeu a amiga e disse que elas não presenciaram acerto no tal jantar.

Romero Britto

Retratista de políticos que admira (já fez quadros das famílias Obama e Doria), o pintor das muitas cores viu a Justiça mandar leiloar obras que ele diz ter dado de presente a Sérgio Cabral (PMDB-RJ) e à mulher dele, Adriana Ancelmo. Avaliados em R$ 146 mil, os quadros com o rosto do ex-governador do Rio e da ex-primeira dama e um terceiro, abstrato, estavam na casa de veraneio dos dois, presos após investigações apontarem uma série de desvios. O leilão foi suspenso em setembro.

Benito Di Paula

O cantor soltou a voz para reclamar do “desrespeito” do deputado Carlos Marun (PMDB-MS) por parodiar sua canção “Tudo Está no Seu Lugar”, festejando o arquivamento da segunda denúncia contra Temer, baseada em delação da Lava-Jato. O político, depois nomeado ministro pelo presidente, entoou no plenário da Câmara dos Deputados um verso zombando da oposição. A cantoria, protestou Benito, poderia sugerir que ele estivesse a favor de Temer. “Não tô apoiando porra nenhuma”, disse.

Kiko Zambianchi

De apelido Kiko, o empresário Francisco de Assis Neto, apontado como operador do esquema de corrupção do ex-governador Sérgio Cabral, aparecia nas planilhas de distribuição de dinheiro como “Zambi”. Era uma referência ao músico, que fez ressoar sua raiva com a inspiração do xará. “É uma sacanagem, uma canalhice”, disse o cantor, que avalia até entrar com uma ação na Justiça contra o outro Francisco, preso em uma operação derivada da Lava-Jato.

Celso Kamura

O cabeleireiro já era conhecido por passar suas tesouras nos fios de políticos, mas foi por causa da cliente mais famosa, Dilma Rousseff (PT), que caiu nas navalhas da Lava-Jato. Em sua delação, Mônica Moura, mulher do publicitário João Santana, revelou ter pago com dinheiro de caixa dois R$ 50 mil em serviços de Kamura para Dilma. A ex-presidente disse que é mentira. O cabeleireiro afirmou que recebia pessoalmente da petista e emitia notas fiscais “devidamente declaradas”.

Vampeta

O operador Lucio Funaro disse que comprou do ex-jogador um flat em São Paulo para a enteada do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) morar. Já Cunha afirmou que Funaro deu um cheque só para garantir o negócio, mas não fechou a aquisição – feita depois legalmente, segundo o ex-parlamentar. “Queria ser amigo desses caras, para eles colocarem R$ 51 milhões na minha conta”, disse Vampeta, referindo-se ao bunker de Geddel Vieira Lima (PMDB-BA).

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Economia brasileira registra novo “encolhimento” no terceiro trimestre
Os saques em bancos acima de 50 mil reais terão que ser avisados três dias antes. Na regra antiga, a exigência só ocorria para valores acima de 100 mil reais
https://www.osul.com.br/operacao-lava-jato-atingiu-famosos-fora-do-mundo-politico-em-2017/ A Operação Lava-Jato atingiu famosos fora do mundo político em 2017 2017-12-26
Deixe seu comentário
Pode te interessar