Quarta-feira, 27 de outubro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
26°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Olimpíada Paralimpíadas: 10 motivos para não perder os Jogos de Tóquio

Compartilhe esta notícia:

Dono de três medalhas na Rio 2016, Petrúcio Ferreira vai buscar mais pódios no Japão. (Foto: CPB)

Falta apenas uma semana para o início das Paralimpíadas de Tóquio. A cerimônia de abertura na próxima terça-feira (24), às 8h (de Brasília), vai marcar o começo das disputas de 22 modalidades. A projeção é de muitas medalhas para o Brasil e principalmente muitas histórias emocionantes até o dia 5 de setembro. Há motivos de sobre para acordar cedo ou até mesmo madrugar para acompanhar tudo. A seguir, confira dez motivos para não perder os Jogos Paralímpicos do Japão.

1. Vai ter medalha todo dia

O Brasil é uma potência do esporte paralímpico! Figurou no Top 10 nas últimas três edições dos Jogos, e a meta do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) é se manter entre as dez primeiras delegações do quadro de medalhas. A projeção é de medalha para o Brasil todo dia! Foram 72 pódios para os brasileiros na Rio 2016.

2. Em busca do 100º ouro!

O Brasil tem na história das Paralimpíadas 87 medalhas de ouro e pode chegar ao 100º título já nos Jogos de Tóquio. Faltam apenas 13 ouros! Na Rio 2016, foram 14 títulos brasileiros. Vão ser 260 atletas brasileiros em busca do ouro em Tóquio (incluindo atletas sem deficiência como guias, calheiros, goleiros e timoneiro).

3. O último ato de Daniel Dias

Maior campeão paralímpico da história do Brasil, Daniel Dias vai disputar os Jogos pela quarta e última vez. Aos 33 anos, o nadador decidiu se aposentar. Tóquio vai ser o último ato, e ele espera aumentar o currículo de 24 medalhas paralímpicas, embora acredite que dificilmente vai conseguir aumentar a coleção de 14 ouros. É que uma reclassificação na natação paralímpica colocou na categoria do brasileiro, a S5, atletas que antes competiam em categorias acima, com menor restrição motora.

4. Novas estrelas surgindo

A cada edição das Paralimpíadas, novos brasileiros entram para o hall de campeões. São muitas promessas entre os 87 estreantes da delegação. Duas promessas são da natação. Gabriel Bandeira, de 21 anos, da classe S14, para atletas com deficiência intelectual, fez seu debut em competições internacionais no Aberto Europeu, em maio, garantindo seis ouros e ainda quebrou o recorde das Américas em todas elas. Maria Carolina Santiago fez a transição da natação convencional para a paralímpica no fim de 2018 e neste ano bateu o recorde dos 50m livre da classe S12, para atletas com deficiência visual.

5. Modalidades estreando

Dos 22 esportes das Paralimpíadas de Tóquio, dois são estreantes: parabadminton e parataekwondo. E o Brasil tem chances de pódios nos dois. Vitor Tavares é o único representante do país no parabadminton e conquistou três bronzes no Mundial de 2019. Débora Menezes é o destaque do trio brasileiro do parataekwondo e foi campeã mundial em 2019.

6. Avisa lá que vai ter gol

O Brasil vai tentar manter a hegemonia no futebol de 5. O time verde-amarelo sempre foi campeão desde que a modalidade para atletas com deficiência visual entrou para o programa dos Jogos, em Atenas 2004. Ricardinho e Jefinho lideram o Brasil em busca do penta. O time é o atual campeão mundial.

7. Homem mais rápido da história

O atleta paralímpico mais rápido da história é brasileiro e vai competir em Tóquio. Em 2019, Petrúcio Ferreira quebrou o recorde mundial dos 100m rasos T47 (para atletas com deficiência nos membros superiores) com a marca de 10s42, a melhor entre todas as classes do atletismo paralímpico. Dono de três medalhas na Rio 2016, vai buscar mais pódios no Japão e dar o tradicional show nas comemorações.

8. Carisma e funk garantidos

Petrúcio Ferreira puxa a turma carismática do atletismo paralímpico do Brasil junto com Vinícius Rodrigues, Washington Júnior e Thomaz Moraes. Já chegaram ao Japão colocando funk para tocar no aeroporto. Animação não vai faltar para os atletas brasileiros.

9. O eterno campeão

Aos 51 anos, Antônio Tenório vai disputar as Paralimpíadas pela sétima vez em busca da sétima medalha – tem quatro ouros, uma prata e um bronze. Ele superou a covid-19 em sua preparação para Tóquio. Ficou 17 dias internado e teve 80% do pulmão comprometido, mas se recuperou e foi o primeiro atleta do país – entre olímpicos e paralímpicos – a ser vacinado.

10. Promessa de muitos recordes

Nas Paralimpíadas do Rio, foram registrados 220 recordes mundiais e 432 recordes paralímpicos. A projeção é que Tóquio supere esses números de recordes. E muitos brasileiros estão entre os candidatos a recordistas. Beth Gomes está nesse grupo. Aos 56 anos, ela é a atleta mais velha da delegação brasileira e é a atual recordista mundial do lançamento do disco na classe F52.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Olimpíada

Estudo aponta fracasso do Brasil nas Olimpíadas mesmo com recorde de medalhas; entenda
Comitê Olímpico Brasileiro prevê melhor campanha na Olimpíada de Paris do que nos Jogos de Tóquio
Deixe seu comentário
Pode te interessar