Quarta-feira, 27 de outubro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
24°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Olimpíada Estudo aponta fracasso do Brasil nas Olimpíadas mesmo com recorde de medalhas; entenda

Compartilhe esta notícia:

Seleção feminina de vôlei conquista a medalha de prata nas Olimpíadas de Tóquio. (Foto: Gaspar Nóbrega/COB)

O Brasil encerrou sua participação nos Jogos Olímpicos de Tóquio com recorde de medalhas conquistadas, 21 no total. Ainda assim, segundo estudo desenvolvido pela SportsValue, a edição confirmou o fracasso brasileiro de impulsionar o esporte no país e se tornar uma potência olímpica.

Via de regra, países que sediam os Jogos Olímpicos utilizam o evento para potencializar o esporte nacional. O estudo aponta que a Rio-2016 não foi suficiente para um salto significativo do Brasil.

No ano 2000, a cidade de Sidney foi casa da Olimpíada e impulsionou a Austrália como potência – o país somou 17 medalhas a mais em relação à edição anterior, e a média se manteve alta: são 41 conquistas por média até o final de Tóquio.

O mesmo crescimento aconteceu com a China a partir de 2008: a média de Sidney e Atenas era de 61 medalhas e, com Pequim e Londres, subiu para 95.

A lógica também se aplica a Grã-Bretanha com Londres 2012: eram 40 medalhas nas duas últimas edições, até Londres impulsionar o esporte e, junto a Rio 2016, os bretões somaram uma média de 66 medalhas.

No Rio de Janeiro, o Brasil bateu seu recorde de medalhas até então, somando 19 conquistas. Porém, o País fugiu da regra e, mesmo com US$ 14 bilhões de investimento, somou apenas duas medalhas a mais em relação às duas últimas edições (Pequim e Londres).

Em Tóquio, o crescimento se manteve pequeno – 21 medalhas, apenas duas a mais em relação a Rio-2016. Esse aumento ainda se justifica com a adição de esportes como Skate e Surf, que renderam conquistas ao país.

“Quase sempre os medalhistas olímpicos brasileiros trazem consigo histórias de superação, custeio da carreira do próprio bolso e muito empenho. Não há um sistema que efetivamente contribua para a massificação de prática esportiva, detecção sistemática de novos talentos e estrutura para treinamento em larga escala”, destaca a SportsValue.

“O resultado no quadro de medalhas do Brasil em Tóquio 2020, embora seja o nosso maior sucesso, na realidade é um grande fracasso. O País não conseguiu, a exemplo de outros países, usar as Olímpiadas em casa como impulsionador”, conclui o estudo.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Olimpíada

Relembre quem são os 21 medalhistas olímpicos do Brasil nos Jogos de Tóquio
Paralimpíadas: 10 motivos para não perder os Jogos de Tóquio
Deixe seu comentário
Pode te interessar