Quinta-feira, 30 de maio de 2024

Porto Alegre

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Variedades Porto Alegre e outras 14 capitais brasileiras não têm plano de mudanças climáticas

Compartilhe esta notícia:

Capital gaúcha é a única da região Sul do país sem uma estratégia de gestão para o clima, mostra levantamento. (Foto: Gilvan Rocha/Agência Brasil)

Das 27 capitais brasileiras, apenas onze, mais o Distrito Federal, contam com um Plano de Mudanças Climáticas. Entre as quinze que não têm estruturado um planejamento para mitigar riscos de eventos extremos, está Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, atingida recentemente pela maior tragédia climática de sua história.

A capital gaúcha é a única da região Sul do país sem uma estratégia local para gestão do clima, indica o levantamento do Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN), vinculado à Secretaria de Estado de Economia e Planejamento (SEP) do Espírito Santo. A cidade, nos últimos dias, tem sofrido com enchentes que deixaram milhares de desalojados.

O levantamento foi feito no início de maio com a consulta de informações oficiais das prefeituras. Além de Porto Alegre, estão na lista de capitais sem um plano: Belém (PA), Boa Vista (RR), Macapá (AP), Manaus (AM), Palmas (TO), Porto Velho (RO), Aracajú (SE), Maceió (AL), Natal (RN), São Luiz (MA), Campo Grande (MS), Cuiabá (MT), Goiânia (GO) e Vitória (ES).

“O levantamento demonstra uma certa negligência dos gestores para a elaboração desse plano em 15 capitais. Se o poder público planeja e estabelece estratégias de gestão local para prevenção, mitigação e adaptação aos eventos climáticos extremos, ele consegue salvar vidas, amenizar danos e reduzir impactos de eventos extremos nos municípios”, diz Pablo Lira, diretor geral do IJSN.

O estudo ressalta que a criação de um Plano de Mudanças Climáticas está alinhado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) de número 13 da Organização das Nações Unidas (ONU), que é o de reforçar a resiliência e a capacidade de adaptação aos riscos relacionados ao clima e catástrofes naturais.

Lira acrescenta que os eventos extremos se tornarão mais recorrentes, o que vai exigir preparação das cidades brasileiras para monitorar riscos e mitigar efeitos de desastres climáticos. Os documentos são relevantes também para estabelecer metas para redução de emissões; planejar manejo de populações em áreas de risco; e traçar iniciativas de longo prazo para o desenvolvimento sustentável.

“Esperávamos que a pesquisa demonstrasse que a maioria das capitais brasileiras teriam cumprido a elaboração do plano municipal de mudanças climáticas, e o resultado é preocupante. Demonstra um nível de negligência e falta de responsabilidade dos gestores dessas 15 capitais”, avalia.

Além do Distrito Federal, as onze capitais brasileiras que têm o Plano são: Belo Horizonte (MG), Curitiba (PR), Fortaleza (CE), Florianópolis (SC), João Pessoa (PB), Recife (PE), Rio Branco (AC), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), Terezina (PI) e São Paulo (SP). Ainda de acordo com o levantamento, Manaus, Belém, Vitória e Porto Alegre têm uma estratégia em andamento, mas ainda não concluída.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Variedades

Com participação de artistas gaúchos, “Domingão” promove arrecadação de fundos para o Rio Grande do Sul
Ex-BBB Amanda Meirelles relata como tem sido a rotina como voluntária em hospital do RS
https://www.osul.com.br/porto-alegre-e-mais-14-capitais-brasileiras-nao-tem-plano-de-mudancas-climaticas/ Porto Alegre e outras 14 capitais brasileiras não têm plano de mudanças climáticas 2024-05-12
Deixe seu comentário
Pode te interessar