Sexta-feira, 25 de Setembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Fair

Mundo Primeiro-ministro pede que franceses “não baixem a guarda” contra o coronavírus

Compartilhe esta notícia:

O novo coronavírus causou mais de 30.200 mortes na França

Foto: Reprodução
Ao todo, desde o início da pandemia, a França contabiliza 253.587 casos positivos da Covid-19. (Foto: Reprodução)

O primeiro-ministro francês, Jean Castex, apelou nesta segunda-feira (03) à população e ao Estado para “não baixarem a guarda” diante da Covid-19, a fim de evitar um “reconfinamento total”, e pediu que todos usem máscaras em locais públicos.

Castex destacou que “todos os franceses devem permanecer atentos”, durante visita a Lille – onde o uso da máscara passou a ser obrigatório em alguns locais públicos abertos – assim como em Roubaix, ambos no norte e perto da fronteira belga.

“O vírus não está de férias e nem nós. Precisamos nos proteger contra esse vírus, principalmente sem interromper a vida econômica e social, ou seja, evitando a perspectiva de reconfinamento geral”, explicou.

Em algumas regiões francesas, “há um aumento nos números da epidemia que deve nos deixar mais vigilantes do que nunca”, disse Castex, que não respondeu a nenhuma pergunta.

Na agência regional de saúde, o Dr. Patrick Goldstein, chefe do departamento de emergência regional e do departamento de emergência, enfatizou que “a dinâmica é muito perturbadora, deve ser ‘caçada’ absolutamente”.

Máscaras gratuitas? 

O discurso das autoridades francesas mudou ao longo das semanas (e com a divulgação de dados científicos). O uso da máscara passou de “inútil para quem está na rua” a obrigatório em locais públicos fechados desde 20 de julho e agora em algumas áreas abertas.

O primeiro-ministro caminhou pelo centro da cidade. Abordado várias vezes, não falou com pedestres, mas conversou com comerciantes e policiais. “Vamos fazer isso! É responsabilidade de todos. Vamos vencer!”, disse à polícia.

“É do interesse de todos, não é para perturbá-los. Também será necessário demonstrar um pouco de firmeza aos que se recusam a entender”, acrescentou, antes de visitar um centro de testes de Covid-19 e uma fábrica de máscaras. Entre a oposição de esquerda, a senadora do Europe Ecology Los Verdes Esther Benbassa criticou “as mensagens contraditórias” do Executivo.

Na sua opinião, ao delegar medidas às autoridades locais, o governo evita a “questão espinhosa” das máscaras gratuitas. “Sim à máscara obrigatória e sim às máscaras gratuitas, para torná-las acessíveis a todos”, tuitou o secretário nacional do Partido Comunista Francês, Fabien Roussel.

O uso da máscara é obrigatório em várias regiões do país, da região dos Alpes, como Chamonix, à costa atlântica como Biarritz e Saint-Malo. No interior, cidades como Tours e no Mediterrâneo, Nice, se preparam para aplicar a medida. O novo coronavírus causou mais de 30.200 mortes na França.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Distrito escolar da Geórgia diz que mais de 250 funcionários testaram positivo ou foram expostos ao coronavírus
Pelotas implantará lockdown para reduzir avanço de ocupação de UTIs por causa do coronavírus
Deixe seu comentário
Pode te interessar