Segunda-feira, 13 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
15°
Fair

CAD1 Quinze das 27 seccionais da OAB já apoiam o impeachment de Michel Temer

Compartilhe esta notícia:

No Sul, Paraná e Rio Grande do Sul apontam para o mesmo caminho. (Foto: OAB)

Até as 18h50min desta sexta-feira, 15 seccionais da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) já haviam se manifestado pelo impeachment do presidente Michel Temer (PMDB). Neste sábado, 20, convocado pelo presidente do Conselho Federal Claudio Lamachia, o Plenário da entidade máxima da Advocacia delibera se vai ao Congresso com pedido formal de afastamento de Temer. O Plenário é formado por 81 conselheiros federais, três de cada Estado e do Distrito Federal.

Em 2016, a OAB seguiu o mesmo caminho no processo que culminou com o impeachment de Dilma Rousseff. Na ocasião, o Conselho Federal da Ordem decidiu, por 26 votos a 2, aprovar o parecer do relator Érick Venâncio e apresentou à Câmara dos Deputados denúncia contra a petista, mas o processo ficou travado – a Casa era presidida por Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de quem a Ordem havia pedido a saída em meio a acusações de corrupção e dinheiro oculto na Suíça.

O mapa das manifestações pela saída de Temer mostra que na Região Norte as seccionais de dois Estados – Rondônia e Tocantins – disseram ‘sim’.

No Nordeste, as seccionais de Ceará, Sergipe e Bahia seguem a mesma orientação. Na região Centro-Oeste endossam o impeachment Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás e Distrito Federal.

No Nordeste, querem a saída do peemedebista Minas, Espírito Santo, Rio e São Paulo.

No Sul, Paraná e Rio Grande do Sul apontam para o mesmo caminho.

As outras 12 seccionais ainda não se manifestaram. Deverão apresentar suas decisões na reunião plenária deste sábado.

Os 81 conselheiros são eleitos pelos advogados de todo o País. A reunião extraordinária do Pleno será neste sábado, a partir das 15h.

 

 

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de CAD1

Aécio Neves manipulou a escolha do presidente da Vale, disse delator da JBS/Friboi
Deputado pediu 150 milhões de reais para comprar 30 votos contra o impeachment de Dilma, disse o dono da JBS/Friboi
Deixe seu comentário
Pode te interessar