Terça-feira, 02 de Junho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
13°
Mostly Cloudy

Colunistas Resultados da eleição em Porto Alegre: Marchezan prefeito; Yeda Crusius deputada federal

Compartilhe esta notícia:

Desde que assumiu a prefeitura, Nelson Marchezan Jr. vem destacando a crise financeira que atinge o município. (Foto: Banco de Dados)

“Nós amamos Porto Alegre, mas ninguém é cego para deixar de ver que é preciso mudar algumas coisas”, disse ontem o prefeito eleito, o deputado federal Marchezan Júnior. A eleição de Marchezan Júnior trará ainda um outro desdobramento. Com a saída dele da Câmara dos Deputados para assumir a prefeitura de Porto Alegre, a ex-governadora Yeda Crusius assumirá a cadeira de titular. Ambos lideram correntes importantes dentro do PSDB, com divergências internas. Jorge Pozzobon, eleito prefeito de Santa Maria, por exemplo, pertence ao grupo político da ex-governadora.

Nomes fortes

A eleição de Marchezan cria nomes fortes no núcleo principal do governo municipal: Celso Bernardi e Kevin Krieger (PP), Maurício Driziedricki (PTB) e o coronel Arlindo Bonete (PR).

Suplentes

Outras eleições provocam mudanças ou até expectativas: a eleição de Luis Carlos Busato, do PTB, para a prefeitura de Canoas, legitima Cajar Nardes (PR) como titular, e coloca o pastor Airton Lima (PTB) como suplente enquanto Ronaldo Nogueira (PTB) permanecer como ministro do Trabalho.

O ex-deputado estadual Mano Changes (PP) torna-se primeiro suplente na coligação PP-PSDB-PRB que disputou a eleição em 2014. A eleição do deputado Jorge Pozzobon em Santa Maria vai levar a suplente Zilá Breitenbach à titularidade da cadeira na Assembleia. Se o deputado estadual Lucas Redecker permanecer na Secretaria de Minas e Energia, o ex-prefeito de Uruguaiana Sanchotene Felice que saiu do PSDB e filiou-se à Rede, assumiria como suplente.

PRB perde e ganha

Presidente estadual do PRB, o deputado federal Carlos Gomes perdeu uma eleição onde havia total favoritismo em Canoas, mas venceu uma eleição desafiadora em Caxias do Sul com Daniel Guerra.

A base de Marchezan

Com, uma base de apoio de 12 vereadores na Câmara Municipal, entre os partidos que compuseram o apoio à sua chapa no segundo turno, Marchezan precisará buscar mais aliados. Ontem, ele não descartou o diálogo inclusive com o PMDB, apesar das asperezas do debate do segundo turno. Com alguns partidos, como o Democratas (dois vereadores) o diálogo ficará facilitado pela proximidade de Marchezan com o deputado federal Onyx Lorenzoni, com o qual quase fechou uma aliança ainda no primeiro turno.

Edson Nespolo e Sebastião Melo no governo Sartori

A reforma do secretariado estadual que ocorre no final do ano deverá contar com dois reforços entre os candidatos que perderam a eleição neste segundo turno: Edson Nespolo (PDT) de Caxias do Sul e Sebastião Melo (PMDB) de Porto Alegre.

Ao governador Sartori

Marchezan deixa claro que “sabemos que essas dificuldades – do Estado – foram criadas pelo governo anterior” e mostrou disposição em um trabalho de parceria com o governador José Ivo Sartori.

As vagas abertas

As saídas anunciadas dos deputados federais Marcio Biolchi e Giovani Feltes que ocupam a Casa Civil e a Secretaria da Fazenda abrirá espaço para uma reforma que poderá incluir ainda a Secretaria de Minas e Energia, ocupada pelo deputado estadual Lucas Redecker, do PSDB e a Secretaria da Justiça e Direitos Humanos, ocupada pela deputada estadual Maria Helena Sartori. Biolchi e Feltes deixarão as pastas por vontade própria, já que manifestaram reiteradas vezes a Sartori o desejo de assumir suas cadeiras na Câmara dos Deputados, para as quais foram eleitos mas não chegaram a assumir, salvo formalmente. O PTB, que estará na prefeitura, também poderá entrar no Piratini.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Colunistas

A fila é grande
PSB pressiona Alckmin
Deixe seu comentário
Pode te interessar