Segunda-feira, 24 de junho de 2024

Porto Alegre

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui


Política Senado discute proposta de emenda à Constituição que pode beneficiar ocupantes de terrenos de marinha; entenda o que está em jogo

Compartilhe esta notícia:

As propostas em análise no Congresso podem intensificar catástrofes como as do RS. (Foto: Carlos Oliveiras/Prefeitura de Recife)

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado Federal discutirá nesta segunda-feira (27), proposta de emenda à Constituição (PEC) que possibilitaria a transferência dos chamados terrenos de marinha aos seus ocupantes.

A passagem seria feita por meio de pagamento no caso de particulares e, gratuitamente, para estados, municípios e ocupantes de habitações de interesse social, como Minha Casa Minha Vida.

O que são

Terrenos de marinha são faixas de terra na costa marítima, definidas a partir da linha imaginária correspondente à maré alta do ano de 1831, estendendo-se por 33 metros em direção ao continente.

Essa categoria também inclui terrenos em volta de lagos, rios e os que contornam ilhas e que sofrem a influência de marés, de acordo com a Marinha, de acordo com o decreto-lei 9.760 de 1946, que regulamenta os imóveis da União.

Sob relatoria do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), a PEC 3/2022 busca extinguir a classificação de terrenos de marinha como propriedades da União.

A proposta permite que ocupantes particulares regulares, que estejam nos locais até a data de publicação da nova regra, mantenham a posse mediante pagamento.

Os que ocupam de maneira irregular também podem pagar para adquirir a posse, desde que estejam no local há pelo menos cinco anos antes da publicação da Emenda e comprovem boa-fé.

Áreas ocupadas pelo serviço público federal ou unidades ambientais federais seguem sob domínio da União, já as não ocupadas seriam transferidas aos municípios.

Originada na Câmara de Deputados em 2011, a proposta foi elaborada sob o argumento de que a manutenção desses terrenos, criados há mais de 150 anos para a defesa territorial, não se justifica atualmente, especialmente considerando o crescimento urbano e a construção de assentamentos na beira de rios e mares.

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) apoia a medida, destacando seu potencial para facilitar políticas públicas em terras da União. Por outro lado, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), alerta para o risco de aumento da especulação imobiliária e turística, com possíveis danos a biomas como o da Amazônia.

A proposta original é de autoria dos ex-deputados federais Arnaldo Jordy (PPS-PA), José Chaves (PTB-PE) e Zoinho (PR-RJ).

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Ministro da Fazenda diz que o governador de Minas Gerais pediu para pagar calote que Bolsonaro deu nele
Servidores federais terão correção no valor do auxílio-alimentação já no próximo contracheque
https://www.osul.com.br/senado-discute-proposta-de-emenda-a-constituicao-que-pode-beneficiar-ocupantes-de-terrenos-de-marinha-entenda-o-que-esta-em-jogo/ Senado discute proposta de emenda à Constituição que pode beneficiar ocupantes de terrenos de marinha; entenda o que está em jogo 2024-05-24
Deixe seu comentário
Pode te interessar