Sexta-feira, 23 de Outubro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
20°
Fair

Mundo Só 14% dos resultados de exames de detecção de coronavírus feitos na Inglaterra ficaram prontos em 24 horas

Compartilhe esta notícia:

O governo britânico vem sendo muito questionado pelo fiasco do sistema "mundialmente superior" de exame. (Foto: Fotos Públicas)

Só 14% dos resultados de exames de detecção de coronavírus feitos na Inglaterra ficaram prontos em 24 horas na semana passada, uma queda brusca em relação à semana anterior, de acordo com dados desta quinta-feira (17) que aumentam a pressão em um governo que rebate críticas de que sua estratégia está fracassando.

O governo britânico vem sendo muito questionado pelo fiasco do sistema “mundialmente superior” de exame e rastreamento de casos de coronavírus que prometeu visando proteger o país de uma segunda onda de infecções em meio à reabertura das escolas neste mês.

Ministros de governo reconheceram que as famílias não estão conseguindo fazer os exames ou ter acesso a eles em localidades remotas. Os novos dados, revelados nesta quinta, mostraram que a chegada de resultados de exames também diminuiu acentuadamente.

O esquema Teste e Rastreie do Sistema Nacional de Saúde (NHS) disse que houve um aumento de 167% no número de pessoas novas com diagnósticos de Covid-19 na Inglaterra desde o final de agosto.

Só 14,3% dos resultados de exames foram recebidos dentro de 24 horas — na semana anterior foram 32%.

No caso dos exames feitos em pessoa em todo o país, ao invés daqueles realizados com amostras coletadas, só um terço foram devolvidos dentro de 24 horas, mas na semana anterior foram dois terços.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, admitiu na quarta-feira (16) que não existe uma estrutura de exames suficiente e disse que almeja que esta estrutura realize 500 mil exames diários até o final de outubro.

O esquema Teste e Rastreie relatou que tais casos positivos estão aumentando desde o início de julho e hoje são o dobro do número registrado quando o sistema foi lançado, em maio.

Segundo confinamento

Boris Johnson afirmou que uma nova quarentena no país, como aconteceu entre os meses de março e maio, teria consequências “desastrosas” para a economia e finanças britânicas. Em discurso na comissão de articulação da Câmara dos Comuns, o político garantiu que seu governo está concentrado em fazer “as pessoas poderem voltar ao trabalho”, descartando a extensão das medidas retenção do emprego, introduzida no início do confinamento.

A oposição política e os sindicatos alertam que poderá haver uma “enxurrada de demissões” quando terminar, no final de outubro, o programa implantado em março, segundo o qual o Estado paga parte do salário dos trabalhadores das empresas afetadas pelas restrições devidas à pandemia da Covid-19.

Johnson garantiu aos deputados que o governo será “criativo” na promoção de novas medidas de apoio, “mas dentro dos limites”, pois, disse ele, ultrapassar nesse sentido pode ser desastroso. O governo tenta combinar restrições para evitar a disseminação do novo coronavírus com a reabertura gradual da economia, depois que o país registrou sua primeira recessão antes do verão europeu, desde a crise de crédito de 2008.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Livro de memórias de Barack Obama ganha data de lançamento no Brasil
Após disputa de poder, brasileiro sai da direção da Comissão Interamericana de Direitos Humanos
Deixe seu comentário
Pode te interessar