Domingo, 14 de agosto de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Mist

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Brasil Economistas dizem que taxa básica de juros no fim de 2022 permanecerá em 11,75% ao ano

Compartilhe esta notícia:

(Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

Apesar do avanço na estimativa para inflação, os economistas do mercado financeiro mantiveram a projeção de 11,75% para taxa Selic (básica de juros) no fim de 2022 no Relatório de Mercado Focus. Há um mês, era de 11,50%. Considerando apenas as 80 respostas nos últimos cinco dias úteis, a expectativa para a Selic no fim deste ano também continuou em 11,75%.

Após subir a Selic em 1,50 ponto porcentual, de 7,75% para 9,25% ao ano, o Comitê de Política Monetária (Copom) indicou, no comunicado de dezembro, mais um aumento da mesma magnitude em fevereiro, o que levaria a taxa a 10,75%.

O colegiado ainda garantiu que irá perseverar na estratégia de aperto monetário “até que se consolide não apenas o processo de desinflação como também a ancoragem das expectativas em torno de suas metas”, preocupado com o aumento das projeções de inflação e o risco de descolamento da inflação em prazos mais longos.

No Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira (24), o cenário para a taxa básica de juros da economia foi mantido para os anos seguintes. A estimativa do Focus para a taxa Selic no fim de 2023 continuou em 8,00%, ante igual taxa há quatro semanas. Para 2024, ficou em 7,00%, mesmo porcentual de um mês atrás. Da mesma forma, a previsão para o fim de 2025 continuou em 7,00%, repetindo a taxa de quatro semanas atrás.

Inflação

Os analistas do mercado financeiro elevaram pela segunda semana seguida a estimativa de inflação para 2022.

De acordo com o Banco Central (BC), a projeção dos analistas para a inflação deste ano subiu de 5,09% para 5,15%.

A informação consta do relatório “Focus”, divulgado nesta segunda-feira (24) pelo (BC). Os dados foram colhidos na semana passada, em pesquisa com mais de 100 instituições financeiras.

O presidente do BC, Roberto Campos Neto, avaliou, em carta aberta, que a alta nos preços de commodities (produtos básicos, como alimentos e petróleo), da energia e falta de insumos levaram País a superar a meta.

Em 2022, a meta central de inflação para 2022 é de 3,50% e será oficialmente cumprida se o índice oscilar entre 2% e 5%. Com a nova alta, a previsão do mercado se distancia mais do teto da meta.

O objetivo foi fixado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-lo, o BC eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia, a Selic.

Para 2023, o mercado financeiro manteve em 3,40% a estimativa de inflação. Para o próximo ano, a meta de inflação foi fixada 3,25%, e será considerada formalmente cumprida se oscilar entre 1,75% e 4,75%.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Em plena crise hídrica, empresas do setor elétricos lucraram mais de 40 bilhões de reais no ano passado
Quase 65% dos que renegociaram dívidas voltam a atrasar contas
Deixe seu comentário
Pode te interessar