Quarta-feira, 08 de dezembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Economia Tesouro Direto: emissão de 3,5 bilhões de reais em títulos em outubro é a segunda maior da história

Compartilhe esta notícia:

De acordo com o Tesouro Nacional, os resgates de títulos públicos somaram R$ 1,59 bilhões no mês passado. (Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

As vendas de títulos públicos por meio do Tesouro Direto somaram US$ 3,506 bilhões em outubro deste ano, informou o Ministério da Economia nesta terça-feira (23).

Essa é a segunda maior venda mensal de títulos por meio do programa, perdendo apenas para maio de 2019 (R$ 5,86 bilhões).

O Tesouro Direto é um programa criado em janeiro de 2002 e permite que pessoas físicas comprem títulos públicos pela internet.

De acordo com o Tesouro Nacional, os resgates de títulos públicos somaram R$ 1,59 bilhões no mês passado.

A emissão líquida, ou seja, a diferença entre o montante emitido e resgatado foi de R$ 1,916 bilhão em outubro, o maior valor da série histórica.

De acordo com o Tesouro Nacional, o aumento da demanda por títulos públicos está relacionada com três pontos:

– as melhorias implementadas no programa nos últimos anos, facilitando o acesso do investidor;

– a redução do custo do programa, incluindo a taxa zero para Tesouro Selic até o saldo de R$ 10 mil; e

– o nível das taxas de juros dos títulos públicos do programa.

Juros e inflação mais altos

O aumento nas vendas de títulos públicos por meio do Tesouro Direto acontece em um momento de alta da taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 7,75% ao ano. Com essa alta, cresce também o rendimento dos papéis vendidos pelo governo federal.

A procura por papéis também coincide com o aumento da inflação. Segundo o Tesouro Nacional, os títulos mais demandados pelos investidores, em outubro, foram justamente foram aqueles indexados à inflação – que totalizaram R$ 1,64 bilhão, representando 46,70% das vendas.

Ao comprar esse tipo de título, o investidor recebe a variação da inflação mais uma taxa de juros fixa, determinada no momento da aquisição dos títulos públicos (prefixada).

Um milhão de novos investidores

De acordo com o Tesouro Nacional, 1.065.648 novos investidores se cadastraram no programa em outubro. Com isso, o número total de investidores cadastrados até o fim do mês passado atingiu 14.166.122, um aumento de 8,13% na comparação com setembro.

“Em outubro de 2021, o total de investidores ativos no Tesouro Direto, isto é, aqueles que atualmente estão com saldo em aplicações no programa, atingiu a marca de 1.707.290 pessoas. No mês passado, 39.145 investidores tornaram-se ativos, um crescimento de 2,35% em relação ao mês anterior”, informou a instituição.

Volume total

Em outubro, o saldo total (estoque) de títulos em mercado alcançou o valor de R$ R$ 74,52 bilhões, uma alta de 3,83% em relação ao mês anterior (R$ 71,77 bilhões).

“Os títulos remunerados por índices de preços se mantêm como os mais representativos do estoque somando R$ 41,44 bilhões, ou 55,61% do total. Na sequência, vêm os títulos indexados à taxa Selic, totalizando R$ 18,98 bilhões (25,47%), e os títulos prefixados, que somaram R$ 14,10 bilhões, com 18,93% do total”, informou o Tesouro Nacional. As informações são do portal de notícias G1.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Governo reduz para R$ 95,8 bilhões a previsão de déficit para 2021
Produtores de soja atacam: “União Europeia não é mais dona do mundo, e o Brasil deixou de ser colônia”
Deixe seu comentário
Pode te interessar