Sexta-feira, 18 de Setembro de 2020

Porto Alegre

Geral Um estudo diz que mulheres na pós-menopausa têm risco maior de evoluir para um quadro grave de coronavírus

Compartilhe esta notícia:

Altos níveis do hormônio sexual feminino estrogênio podem ter um efeito protetor contra a doença. (Foto: Reprodução)

Um estudo liderado pelo King’s College London, no Reino Unido, mostrou que mulheres na pós-menopausa correm mais risco de evoluir para a forma grave do novo coronavírus. Segundo a pesquisa, realizada com quase 600 mil mulheres, altos níveis do hormônio sexual feminino estrogênio podem ter um efeito protetor contra a doença. O estudo, publicado no site medRxiv, ainda não foi revisado por pares.

Por meio de um aplicativo chamado Covid Symptom Study, os pesquisadores analisaram a taxa de infecção pelo vírus prevista em três grupos: mulheres na pós-menopausa, mulheres na pré-menopausa que estavam utilizando pílula anticoncepcional oral combinada e mulheres na pós-menopausa que faziam uso de terapia de reposição hormonal. Os dados foram coletados entre 7 de maio e 15 de junho.

A taxa de Covid-19 prevista com complicações graves foi mais alta entre as mulheres na pós-menopausa, na faixa etária de 45 a 50 anos, que relataram sintomas de perda de olfato, febre e tosse persistente, além de necessidade de tratamento com oxigênio.

O índice previsto foi mais baixo no grupo das mulheres que faziam uso de pílula, entre 18 e 45 anos. Elas apresentaram frequência menor de episódios de tosse persistente, delírios, perda de olfato, falta de apetite, fadiga e dor severas. A taxa de hospitalização também foi menor.

Entre as mulheres que faziam reposição hormonal, que estavam na pós-menopausa e tinham entre 50 e 65 anos, o uso da terapia foi associado a um aumento na taxa prevista de Covid-19, mas sem impacto nos índices de hospitalização. Neste ponto, os estudiosos ponderaram que é necessário ter cautela, tendo em vista a necessidade de mais informações sobre tipo, via de administração e tempo de tratamento.

Diante dos resultados, os pesquisadores trabalham com a hipótese de que o hormônio pode exercer um efeito protetor contra o novo coronavírus. Estudos anteriores com os vírus SARS-CoV e MERS já tinham apontado conclusão semelhante e explicariam o fato de que homens, independentemente da idade, têm risco maior de evoluir para quadros mais graves. Este cenário também é observado no novo coronavírus.

OMS

O diretor do programa de emergências da Organização Mundial da Saúde (OMS), Michael Ryan, afirmou nesta quarta-feira (5), que 10% da população mundial foi infectada pela Covid-19 e o restante permanece vulnerável ao vírus.

Ele disse que, de acordo com os estudos sorológicos, o número de pessoas que atualmente tem anticorpos para o coronavírus – ou seja, que já foram infectadas – é relativamente baixo. “Em muitos casos, menor que 10%. Isso quer dizer que, a nível global, 90% ainda está suscetível à doença”.

Durante transmissão online para responder dúvidas do público, Ryan explicava como as pandemias terminam. “Esse vírus continuará criando infecções até que ele se esgote ou então que nós o esgotemos”.

Ele acrescentou que isso mostra que o vírus “ainda tem um longo caminho para queimar”, portanto o conjunto completo de medidas de controle, como testagem e distanciamento social, deve continuar a ser aplicado.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Geral

Para a Organização Mundial da Saúde, reabrir escolas em países que não controlaram a disseminação do coronavírus piora o problema
A operação que levou à prisão de figuras como o secretário de Transportes de São Paulo é resultado da delação premiada de ex-diretores de uma organização social
Deixe seu comentário
Pode te interessar