Domingo, 23 de janeiro de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
34°
Mostly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Saúde Veja como controlar os desejos por guloseimas

Compartilhe esta notícia:

Comer sem prestar atenção aumenta a chance de ingerir comida demais. (Foto: Reprodução)

Os desejos por comida são uma parte normal da experiência humana: estudos mostram que mais de 90% das pessoas os têm. (Na verdade, quem são aqueles unicórnios que nunca tiveram desejos?)

Mas a maneira como lidamos com os desejos pode variar muito. Algumas pessoas comem o que querem e não se preocupam com isso, enquanto outras se sentem controladas pelos desejos e acabam se empanturrando de comidas favoritas.

Quando as pessoas se rendem ao desejo por comida, muitas vezes culpam a falta de autocontrole. Mas os desejos são causados por uma interação complexa de neurônios no centro de recompensa do cérebro, hormônios do apetite, condicionamento comportamental e fácil acesso a alimentos saborosos e prazerosos que reforçam o ciclo do desejo.

O poder dos desejos pode ser alimentado pelos sentidos, como o cheiro do pão fresco quando passamos por uma padaria, assim como pelas situações e emoções. Depois de um dia estressante no trabalho, por exemplo, podemos buscar conforto parando em uma janela de fast-food. Os bons momentos também podem desencadear desejos, como querer pipoca ou doces no cinema. E estudos mostram que os alimentos chamados “hiper palatáveis”, que oferecem uma combinação tentadora de gordura, açúcar, sal e carboidratos, podem interferir nos sinais do cérebro, de modo que continuamos desejando-os mesmo quando estamos satisfeitos.

Então, qual é a solução para as pessoas que lutam contra os desejos?

Acontece que muitas pessoas estão lidando com os desejos da maneira errada, tentando restringir, evitar e se distrair de alimentos tentadores. Eles pulam a sobremesa quando todo mundo está comendo, vão embora se um colega trouxer donuts para o escritório e tentam ignorar seu desejo pelo sorvete no freezer.

Porém, cada vez mais, os estudos mostram que a restrição constante e as tentativas de distração podem, na verdade, sair pela culatra para pessoas que lutam contra o desejo e a compulsão alimentar.

Agora os cientistas estão estudando novas estratégias surpreendentes para lidar com os desejos com base na ciência do cérebro. Isso inclui aceitar que os desejos por comida são normais e inevitáveis e usar técnicas de atenção plena para reconhecer, se tornar mais consciente de seus desejos e esperá-los passar, em vez de tentar ignorá-los.

“Trata-se de compreender que esses tipos de desejos são uma parte natural do ser humano; somos projetados dessa forma”, disse Evan Forman, professor de psicologia da Drexel University na Filadélfia e diretor do Center for Weight, Eating and Lifestyle Science.  “Você não precisa fazer com que os desejos desapareçam, mas também não precisa comer por causa deles. É aceitar, em vez de afastar ou suprimi-los.”

Como a dieta pode tornar os desejos ainda piores

Um dos primeiros estudos a mostrar uma ligação entre restrição alimentar e desejos foi realizado na década de 1940 pelo pesquisador de dieta Ancel Keys. No que é frequentemente chamado de “estudo de fome”, Keys pediu a 36 homens que comiam cerca de 3.500 calorias diárias, que reduzissem a ingestão de alimentos para cerca de 1.600 calorias por dia. (Pelos padrões de hoje, essa contagem de calorias é apenas mais uma dieta.) A restrição desencadeou uma notável mudança psicológica nos homens, que ficaram preocupados com a comida.

“Eles pararam de fazer qualquer coisa, exceto deitar na cama, conversar e pensar em comida”, disse Traci Mann, que dirige o laboratório de saúde e alimentação da Universidade de Minnesota.

Ela observa que os homens até planejaram carreiras relacionadas à alimentação, como abrir uma mercearia ou restaurante, e ficaram preocupados com a comida muito tempo depois que o estudo terminou.

“São homens da década de 1940 que provavelmente nunca cozinharam uma refeição em toda a sua vida”, observou Mann. “E eles começaram a cortar receitas do jornal.”

Mais recentemente, Mann e seus colegas usaram uma caixa tentadora de chocolates para estudar o efeito da restrição alimentar. A pesquisa incluiu 142 amantes do chocolate, metade dos quais foi orientada a seguir sua dieta regular, enquanto a outra metade fez uma dieta restrita. Em uma reviravolta aparentemente cruel, todos no estudo receberam uma caixa de chocolates e foram instruídos a não comer os doces até o fim do estudo. Mas para ter certeza de que cada participante foi tentado pelo chocolate de forma consistente, os participantes tiveram que abrir a caixa diariamente para encontrar instruções específicas.

Após o fim, todos foram convidados a enviar uma foto de sua caixa de chocolate. Os que faziam dieta restritiva furtaram significativamente mais chocolates do que aqueles que não estavam contando calorias.

“O controle entre eles sobre a alimentação falhou”, disse Mann. “Existem muitos estudos que analisam os processos de pensamento dos que estão fazendo dieta e você vê a mesma coisa. Pessoas que fazem dieta são mais propensas a notar a comida, têm mais dificuldade em tirar sua atenção da comida e desejam mais comida.”

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Nordeste no topo: destinos de praia foram os preferidos dos brasileiros em 2021
Documentário sobre Leila Diniz chega ao streaming
Deixe seu comentário
Pode te interessar