Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Supremo autoriza Procuradoria-Geral da República a analisar maletas antigrampo apreendidas no Senado em 2016

A caminhada espacial da Nasa foi realizada por uma dupla mista

A caminhada foi realizada pelos astronautas Nick Hague e Christina Koch. (Foto: Reprodução)

A primeira caminhada espacial exclusivamente com mulheres, que deveria ter sido feita nesta sexta-feira (29), foi realizada por uma dupla mista: os astronautas da Agência Espacial Norte-Americana (Nasa) Nick Hague e Christina Koch.

Inicialmente, a operação seria realizada por Koch e Anne McClain, no entanto, um problema com os trajes espaciais fez a Nasa cancelar a histórica caminhada. O caso começou após um passeio bem-sucedido realizado por McClain no dia 22. A astronauta percebeu que a camiseta do traje espacial de tamanho médio vestia melhor. No entanto, só há um modelo do tipo disponível na Estação Espacial Internacional (ISS) e foi usado nesta sexta por Koch.

Hague, que substituiu McClain, e Koch ajustaram um dos canais de fornecimento elétrico da Estação. A Nasa planejou três caminhadas espaciais para o grupo de astronautas, sendo que hoje foi a segunda delas. A última está marcada para o dia 8 de abril e será desempenhada por McClain e o canadense David Saint-Jacques.(ANSA).

Fato histórico

Caso McClain e Koch realizassem esta operação sozinhas, esta seria a primeira caminhada espacial 100% feminina entre as mais de 200 realizadas desde 1998, fato histórico destacado pela Nasa quando anunciou a missão.

O cancelamento provocou consternação entre os aficionados por viagens espaciais e feministas, que viram na falta de preparo da Nasa uma herança de décadas de dominação masculina, especialmente porque a agência espacial antecipa meticulosamente cada detalhe das missões.

“Façam outro traje”, escreveu no Twitter a ex-candidata democrata à presidência dos Estados Unidos Hillary Clinton.

“Podemos enviar um homem à Lua, mas não somos capazes de fabricar dois trajes de tamanho feminino?”, postou também no Twitter Julie Cohen, uma das diretoras do documentário “RBG”, sobre a juíza da Suprema Corte Suprema Ruth Bader Ginsburg, que concorreu ao Oscar neste ano.

Desenvolvidos em 1974 e compostos por várias peças, esses trajes da Nasa nunca foram renovados. A parte que não serviu para uma das astronautas foi a superior, que é dura e une o capacete e os braços.

Hoje em dia, há dois uniformes de cada tamanho: M, G e GG. Mas apenas um M e um GG estão disponíveis. Os outros são usados como peças de reposição que requerem doze horas de montagem, segundo a agência espacial.

“Doze horas adicionais nos obrigaria a adiar a data da caminhada espacial, o que não é possível devido ao calendário da estação, que vai receber dois veículos de carga”, disse à AFP o porta-voz da Nasa, Brandi Dean.

Dean destacou que a agência não programou inicialmente uma dupla feminina de propósito: “Simplesmente aconteceu”.

A própria McClain saiu em defesa da Nasa: “Esta decisão se baseia na minha recomendação”, postou a astronauta no Twitter. “Não devemos aceitar jamais um risco se for possível evitar. A segurança da tripulação e a execução da missão sempre são prioritárias”.

Deixe seu comentário: