Últimas Notícias > Esporte > Futebol > Inter > Técnico do Inter foge de perguntas sobre arbitragem no Grenal: “Eu, aqui, tenho que falar sobre futebol”

A queda de um avião monomotor na Serra Gaúcha matou o presidente do grupo empresarial Unicasa

Aeronave pilotada por Frank Zietolie colidiu contra prédio em construção. (Foto: Reprodução)

O empresário Frank Zietolie, 48 anos, morreu no final da tarde desse sábado, duas horas após o monomotor que pilotava cair em uma rua de Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha, por volta das 15h20min. Ele era sócio-presidente do grupo Unicasa Indústria de Móveis S.A. (ao qual pertencem as empresas Telasul e Dellano) e estava sozinho na aeronave.

A vítima foi socorrida por uma equipe do Corpo de Bombeiros e do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), que a levou ao Hospital Tacchini. Zietolie estava inconsciente e não resistiu a um quadro de múltiplas fraturas e parada cardíaca.

O acidente ocorreu na rua Alvi Azul (bairro São João), logo após a decolagem no aeroclube local, situado a cerca de 1 quilômetro. Segundo informações extraoficiais, o avião não ganhou altura suficiente e acabou colidindo lateralmente contra a sacada de um edifício em construção.

Houve vazamento de combustível e a área teve que ser isolada, devido ao risco de incêndio e explosão. O prédio atingido fica próximo ao estádio Montanha dos Vinhedos, do Clube Esportivo (atualmente na Divisão de Acesso do Gauchão).

Homenagens

Em seu site, a empresa Telasul (especializada no segmento de cozinhas) publicou uma nota de luto pela morte de seu sócio e membro do conselho de administração. O Sindmóveis (Sindicato das Indústrias do Mobiliário) de Bento Gonçalves também usou o seu endereço virtual para lamentar a perda.

“Um empresário que contribuiu para a consolidação do modelo de negócios do segmento de móveis planejados, o que, sem dúvida, ajudou a colocar nosso polo na condição de principal do País”, elogiou o presidente da entidade, Vinicius Benini. A cerimônia de cremação está prevista para as 15h deste domingo.

(Marcello Campos)

Deixe seu comentário: