Quarta-feira, 22 de Janeiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
27°
Fair

CAD1 As mudanças climáticas podem matar 152 mil europeus por ano até final do século

As mudanças climáticas estão entre as grandes ameaças globais do século 21. (Foto: Reprodução)

Um clima extremo pode matar até 152 mil pessoas por ano na Europa até o final do século, se nada for feito para frear o impacto das mudanças climáticas. O alerta foi publicado na edição desse sábado pela publicação científica The Lancet Planetary Health, indicando que o número de mortes poderia ser 50 vezes superior aos registrados hoje.

O principal problema seriam as ondas de calor, responsável por 99% das mortes no futuro e principalmente no sul da Europa.

Realizado pelo Centro de Pesquisa da Comissão Europeia, o estudo aponta que se as reduções de CO2 não forem suficientes e se o continente não se adaptar, a taxa de mortos passaria de 3 mil por ano para 152 mil.

No total, de cada três europeus, dois seriam afetados pelas ondas de calor. Hoje, essa taxa é de apenas 20%. Enchentes também se tornariam mais frequentes, com o número de vítimas passando de seis por ano para mais de 200.

Os investigadores avaliaram 2,3 mil registros de desastres naturais de 1981 a 2010, incluindo o tipo de desastre, o ano e o país onde ocorreu e o número de mortos causados, para estimar a vulnerabilidade da população a cada um dos fenômenos climáticos severos.

Posteriormente, combinaram os dados com projeções de como as alterações climáticas podem progredir e de como as populações podem aumentar ou migrar entre os anos 2071 e 2100.

O estudo, que ignora os efeitos do envelhecimento da população ou do crescimento econômico, que podem alterar o impacto dos desastres naturais nas pessoas, estima que as ondas de calor sejam o fenômeno meteorológico mais letal, ao causar 99% das mortes relacionadas com o clima, e estima que as inundações costeiras possam levar ao aumento de seis mortes por ano, no início do século, para 233 perto do final do século.

As conclusões do estudo estão sendo publicadas no momento em que a Europa vive mais uma onda de calor, registrando em diversas cidades temperaturas de mais de 40 graus. O calor ainda afetou já a produção agrícola e tem até fechado museus.

“As mudanças climáticas estão entre as grandes ameaças globais do século 21”, disse Giovanni Forzieri, um dos autores do estudo. “Se nada for feito de forma urgente e com medidas apropriadas, cerca de 350 milhões de europeus serão expostos a um clima extremo a cada ano até o final do século”, declarou Forzieri.

Medidas de proteção

Com a pior onda de calor em 14 anos, 11 governos europeus anunciaram um plano de emergência e apelam aos cidadãos para que adotem medidas extras de proteção. Para os cientistas, o fenômeno deve se repetir nos próximos anos com maior regularidade, afetando inclusive a estruturas de cidades.

Por enquanto, a recomendação é de permanecer em locais cobertos, evitar o sol, caminhadas longas e hidratar com frequência. Duas pessoas já morreram, na Polônia e Romênia. Mas o temor dos serviços de saúde é de que ocorra o mesmo que em 2003, quando a Europa descobriu que a onda de calor tinha matado mais de 20 mil pessoas, que já estavam em um estado frágil e não foram atendidas.

Agora, as autoridades chegam a sugerir que vizinhos liguem para aqueles moradores que são mais idosos em seus prédios, para garantir que a mesma tragédia não se repita.

A emergência já foi declarada na Itália, Suíça, Hungria, Croácia, Romênia, Sérvia, Bósnia, Espanha e França. (Com informações de Estadão)

Voltar Todas de CAD1

Compartilhe esta notícia:

Chegada de Neymar gera uma correria nos últimos dias para rever acordos e clubes tentam acelerar contratações
Delator da Odebrecht pagou 14 milhões de dólares de propina para o vice-presidente do Equador
Deixe seu comentário
Pode te interessar