Últimas Notícias > Capa – Magazine > Eduardo Bolsonaro passa final de semana em Bento Gonçalves, na Serra gaúcha

O Brasil vence a China e recebe uma nova fábrica de motores da Fiat. O investimento de 500 milhões de reais foi disputado pelos dois países

Mike Manley, CEO global da Fiat Chrysler Automobiles. (Foto: Reprodução)

A FCA (Fiat Chrysler Automobiles) vai instalar uma nova fábrica em seu complexo industrial de Betim, em Minas Gerais, para começar a produzir motores turbo para o mercado nacional e para exportação. O investimento previsto é de R$ 500 milhões. A nova linha de produção estava sendo disputada pela fábrica do Brasil e pela fábrica da China.

O anúncio foi feito na última semana pelo CEO global da FCA, Mike Manley, que foi a Betim para dar detalhes dos planos.

O investimento garantirá a produção de novos motores de três e quatro cilindros. Dois já são produzidos em fábricas da FCA na China e na Polônia e um tem patente desenvolvida no Brasil. A companhia não informou quais modelos receberão os novos motores. Disse apenas que serão modelos topo de gama das marcas Fiat e Jeep. A previsão é de que os motores comecem a ser produzidos no último trimestre de 2020.

Com a nova unidade, os investimentos de R$ 8 bilhões que haviam sido anunciados no ano passado para o polo da FCA em Betim sobem agora para R$ 8,5 bilhões até 2024. Os recursos para a instalação da nova unidade de motores serão aportados pela montadora e por fornecedores. Os investimentos previstos também até 2024 na fábrica em Goiana, no Pernambuco, continuam sendo de R$ 7,5 bilhões.

A FCA já produz três famílias de motores no Brasil e com a quarta família aumenta sua capacidade instalada de motores e transmissões para 1,3 milhão de unidades por ano. Está nos planos do grupo exportar, até 2022, mais de 400 mil motores produzidos em Betim — incluindo os turbos. O principal destino será o mercado europeu.

A cerimônia do anúncio ocorreu em um espaço da fábrica de Minas e teve a presença de Manley, do presidente do grupo para a América Latina, Antonio Filosa, e de John Elkann, chairman global. Antes da cerimônia, Manley se reuniu com um grupo de jornalistas e afirmou que a decisão de fazer o investimento no Brasil tem a ver com a experiência da equipe local.

“Se olharmos as habilidades e especialidades que existem aqui no Brasil e o que eles conseguiram fazer pela FCA e se a gente comparar com alguns outros lugares, que tiveram muita dificuldade… a equipe aqui se mostrou muito capaz”, disse o executivo.

A Fiat obteve do governador de Minas, Romeu Zema (Novo), o compromisso do Estado de devolver o valor relativo ao ICMS dos componentes exportados — algo que já é regra para exportações, mas que as empresas têm dificuldade em receber.

Manley lembrou que a nova unidade de motores é parte do plano maior de investimentos. “Até 2024 nós vamos lançar 24 ou 25 novos veículos. Isso faz parte de uma série de investimentos que vem”, disse, reafirmando planos que já tinham sido anunciados. Das novidades fazem parte modelos totalmente novos e renovações de versões de já existentes. Desse total, 15 novidades sairão de Betim.

O anúncio do novo investimento é feito em um momento de queda das previsões de crescimento da economia brasileira para este ano. As vendas de veículos, no entanto, têm se mostrado, por enquanto, resistentes. Manley procurou mostrar otimismo em relação ao País.

“As reações do nosso mercado são especialmente encorajadoras. Depois de o Brasil sair de uma recessão tão profunda, claro que demora um pouco”, afirmou.

“Com as reformas que estamos acompanhando com interesse, gostamos do que pode estar vindo porque vai ajudar no crescimento, no crescimento sustentável”, acrescentou o executivo.

Deixe seu comentário: