Últimas Notícias > Notícias > Brasil > “Reforma administrativa vai demorar um pouquinho mais ainda”, afirma Bolsonaro

Dunga: “Não é novidade nenhuma que eu seja contestado”

Treinador disse que é normal ser pressionado no comando do Brasil. (Foto: Banco de Dados/O Sul)

O técnico Dunga comentou acerca do momento da Seleção Brasileira, do empate diante do Paraguai por 2 a 2 na terça-feira (29) e das críticas que tem recebido no comando do time canarinho. Muitos que acompanham o futebol desejam Tite como treinador da equipe no restante das Eliminatórias Sul-Americanas à Copa do Mundo de 2018.

“A responsabilidade é do treinador. A forma de jogo que temos é responsabilidade do treinador. Não é novidade nenhuma que eu seja contestado. Contestaram o Zagallo, o Felipão, o Parreira. Essa é a nossa vida de treinador e eles foram campeões do mundo. Então é normal eu ser contestado sem ter sido campeão (como técnico)”, afirmou Dunga na entrevista coletiva em Assunção, após o Brasil buscar o empate depois de sair perdendo por 2 a 0.

Muitos erros

Na partida diante dos paraguaios, a Seleção apresentou muitos problemas, especialmente na primeira etapa. Não há padrão tático e o atual 4-1-4-1 não tem dado certo. Fernandinho, que acabou substituído no jogo, foi um desastre. Daniel Alves foi envolvido em vários lances, mas se redimiu um pouco ao marcar o gol brasileiro nos acréscimos. Luiz Gustavo fez faltas em excesso, e os zagueiros (Miranda e Gil) se atrapalharam em alguns momentos. Além disso, Ricardo Oliveira quase não recebeu a bola na frente enquanto esteve em campo. Sem falar no velho problema da bola aérea defensiva. Cada cruzamento para a área do Brasil era um verdadeiro filme de terror.

O zagueiro e novo capitão da Seleção, Miranda fez uma análise bastante sólida da situação: “Temos que acordar e viver mais essa competição. Não é só na qualidade técnica que vamos conseguir ganhar os jogos. A última Copa em casa atrapalhou o amadurecimento desses jogadores. Temos que nos unir um pouco mais e jogarmos na base da garra”.

O goleiro Alisson, do Inter, reconheceu que o sexto lugar do Brasil na tabela não é algo a se comemorar ou até normal. “É complicado. Não queremos estar nesse lugar, o Brasil não merece estar nesse lugar. Mas está tudo muito nivelado, embolado. Quem estava atrás venceu. Esse um pontinho foi importante e nos colocou mais próximos deles. Não é o que a gente queria. Pelas circunstâncias foi positivo”, avaliou.

No sexto lugar, o Brasil estaria hoje fora da Copa do Mundo. A próxima partida da equipe nacional nas Eliminatórias será apenas no dia 2 de setembro, contra o vice-líder Equador, na casa dos oponentes.

Classificação após seis rodadas:

1°) Uruguai 13 pontos
2°) Equador 13
3°) Argentina 11
4°) Chile 10
5°) Colômbia 10
6°) Brasil 9
7°) Paraguai 9
8°) Peru 4
9°) Bolívia 3
10°) Venezuela 1